Com a alta do dólar  e valorização do Peso uruguaio é o comércio de Santana do Livramento que não tem do que reclamar. Mercados, atacadistas, farmácias, postos de combustíveis estão sendo invadidos como formigas pelos uruguaios que estão adquirindo todo tipo de congênere por menos da metade do preço se fossem comprar em Rivera o equivalente.

Já os argentinos que não são seduzidos pelos produtos importados dos free shops,  ajudam indiretamente na #Crise uruguaia que não vende nada só compra. Eles estão gastando à vontade superlotando os hotéis e restaurantes de Santana do Livramento.

Em visita privada com o agente da POLÍCIA FEDERAL local (Foto) Renato Serpa, ele revelou que até o momento ingressaram no Brasil 70 mil argentinos.

Publicidade
Publicidade

A maioria são da capital que rumam ao litoral catarinense e gaúcho pela fronteira de Santana do Livramento e Rivera, devido à facilidade de acesso e pelo fato de Buenos Aires  estar a apenas 600 quilômetros daqui e as rodovias basicamente serem grandes retas.

Quem estava recepcionando e orientando os argentinos na PF era o Policial Rodoviário Federal  Paulo Quines. Segundo Quines, “Mesmo com toda campanha  que estamos empreendendo,  muitos ainda abusam da velocidade e fazem manobras perigosas, porém o número de infrações e acidentes estão diminuindo!” ressaltou ele ao jornalista Pedro Nicola da Blasting News Brasil. A exemplo dos policiais, quem estava na PF era o sub presidente da ACIL local Conrado Oliver que estava colaborando e servindo de intérprete. Ele mostrou-se animado com a situação da fronteira.

Publicidade

Em conversa por telefone na manhã deste quarta-feira (3),  com presidente do CDL de Santana do Livramento  Mozart Hillal,  ele se mostrou extremamente contente e otimista com atual  quadro que a cidade está vivendo. Por um lado, o presidente da Associação Comercial e Industrial e dos free shops de Rivera Julho Paillex está preocupado com a situação dos free shops. Muitos já fecharam as portas devido à crise brasileira, que está ocasionando muito desemprego. #Finança #Crise econômica