Na tarde desta terça-feira (23), Panda, a cadelinha da raça bulldog francês, foi resgatada por seus donos num pet shop em menos de 24 horas após ser roubada por bandidos durante um assalto ao apartamento, localizado na Avenida Bagé do bairro Petrópolis, em Porto Alegre. O casal João Vinicius Romanoff e Andressa Amaral começou uma campanha nas redes sociais ao perceberem que Panda havia sido levada, entre outros pertences. Eles divulgaram telefones para contato numa página criada no Facebook, que recebeu dezenas de compartilhamentos em pouco tempo.

João disse que a mobilização foi muito forte e declarou em sua entrevista ao G1: “não imaginava que fosse abranger tanta gente”.

Publicidade
Publicidade

Segundo ele, diversas mensagens pelo Whatsapp informaram o paradeiro de um cachorro com as características da cadela de quatro meses circulando pelas ruas do bairro Lomba do Pinheiro, na Zona Leste da capital, que foi levado por um morador à pet shop local. “A gente checou a informação direto no pet. O comissário de polícia nos acompanhou até lá e confirmamos que era ela. Ela está 100%, só um pouquinho cansada”, contou o dono.

Além da filhotinha, foram levados um computador, uma televisão e as roupas do casal, mas ambos declararam estar felizes apenas por ter recuperado Panda. Ainda assim, um boletim de ocorrência foi registrado na 8ª Delegacia de Polícia da capital e o mistério do roubo não parece estar perto de ser resolvido, uma vez que o prédio não possui sistema de videomonitoramento e não há sinais de arrombamento nos portões do condomínio.

Publicidade

Para a pequena bulldog a história acabou bem, mas alguns cães não têm a mesma sorte com a recente onda de assaltos aos caninos pelo valor da venda.

O bulldog francês está em quinto colocado entre as raças de cachorros mais visados, sendo o primeiro colocado o yorkshire terrier, com valor entre R$ 1,000 e R$ 4,000. Muitos donos têm compartilhado dicas de proteção para seus bichinhos na internet, dentre elas: identificação com plaquinha, microchip ou tatuagem; andar com outra pessoa; não largar o animal sozinho na rua e sempre caminhar com ele na coleira. Se o pior acontecer, apelar para as redes sociais pode dar resultado, como no caso de Panda. #Animais #Casos de polícia