Nos dias de hoje, a produção brasileira de gasolina chega a mais ou menos a 42.000.000 anuais, contudo, para este  chegue ao cliente final, ele é complementado com etanol anidro, convertendo - se de gasolina A para o tipo C. Apesar de comprarmos ela sem a sua pureza primária, o preço dela é demasiado alto, que pode chegar até 5 reais em alguns municípios.

Buscando diminuir os gastos com esse combustível, Gilmar que é um químico do Brasil, iniciou uma produção ilegal de gasolina em sua residência, segundo o relato dos oficiais que deram o flagrante.

O combustível fabricado por Gilmar, não continha #Petróleo em sua base, sua método usava uma combinação de solventes e metanol.

Publicidade
Publicidade

O meio de processamento  e as porções não foram descobertas ainda.

Renato Zucchetti, que é formado em engenharia química e líder  da FEPAM, relatou que o combustível que ele produzia tinha alto rendimento, tanto nas velocidades baixas quanto nas mais altas.

O delegado  Tarcísio Kaltbach  ficou extasiado quando viu que Gilmar, apesar de ter um portfólio simples de equipamentos de fabricação de gasolina, conseguia, realmente, fazer os carros andarem com sua fabricação independente, apesar de não precisar de petróleo para o feito.

Segundo as autoridades, Gilmar negociava sua gasolina por R$ 1,50 o litro. Apesar de ter um ótimo rendimento, o uso demasiado causaria estrago na mecânica nos veículos que rodavam com ele.

O químico tem 57 anos e foi detido na ação denominada de "Octanagem", realizada pelas autoridades de Porto Alegre.

Publicidade

O "meliante" foi detido por fabricação e comércio da gasolina por não ter a liberação da ANP para esse fim. 

Sempre houve embates no que diz respeito à fabricação de fontes alternativas de combustível, apesar de haver muitos estudos acerca desse assunto. As pessoas que compravam o combustível de Gilmar, mostraram-se furiosos com a detenção dele.

Quem sabe se os estudiosos usassem a fórmula que Gilmar criou  e a melhorassem, poderíamos ter uma alternativa  a mais de combustível, não é mesmo? #Descoberta #Sociedade