Um indivíduo foi preso pela polícia acusado de homicídio, na manhã de domingo (15), na zona norte de Porto Alegre. O homem foi identificado como Paulo Roberto dos Santos Pereira, de 29 anos. Ele é o principal suspeito de ter assassinado um menino. A vítima foi identificada como Davi Daniel Rosa Rospidi da Silva, de três anos, que era enteado do acusado. A vítima ainda foi socorrida mas, devido à gravidade dos ferimentos, acabou morrendo.

Segundo informações repassadas pela polícia, por volta das 10 horas, o acusado saiu de sua residência onde morava com a família no bairro Humaitá, com o garotinho desacordado em seus braços, pedindo ajuda para seus vizinhos. O mesmo foi ajudado por um vizinho, e a vítima foi levada para uma unidade médica na cidade. Já no hospital, ao ser examinado pelos médicos, os mesmos constataram que a vítima estava com traumatismo craniano e com hematomas em seu pescoço. O criminoso deixou a criança no hospital, e, em seguida, foi até o local onde a sua esposa trabalha para avisar o que tinha acontecido com a vítima.

No entanto, quando eles retornaram para o hospital, foram informados pelos médicos que a vítima tinha sofrido uma parada cardiorrespiratória e acabou morrendo. A Polícia Civil foi acionada, e quando os policiais chegaram no local informado, o suspeito foi preso e encaminhado para a 2ª Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (DPPA), onde prestou o seu depoimento. Conforme consta em depoimento, ele negou que tenha espancado o menino e disse que o menino estava dormindo no seu quarto e, ao ser acordado, ele estava tendo uma convulsão. Ao fazer uma busca no banco de dados da polícia, o acusado já tem passagem pela polícia por tentativa de assassinato contra um homem, que era namorado da sua ex-esposa.

Segundo informações, a vítima ia completar 4 anos nesta terça-feira (17), e a sua família estava preparando uma festa de aniversário para ele. O avô materno da vítima, identificado como Manoel Luciano Benitez Gomes, relatou que não sabia se o acusado tinha algum desentendimento com a vítima, pois a sua filha estava morando com o suspeito a apenas 3 meses. A polícia está investigado o caso. #Crime #Investigação Criminal #Casos de polícia