Desde o 17 de março os servidores judiciários do estado de Pernambuco firmaram #Greve de 48 horas. Na tarde de hoje (18) os grevistas se concentrarão a partir da tarde em frente ao fórum Desembargador Rodolfo Aureliano - localizado na Ilha do Leite - e de lá farão passeata até a praça do Derby distribuindo panfletos para população. Esta greve cumprirá o tempo de 48 horas, contudo próximo dia 26 a categoria deverá se reunir para decidir se realizará nova greve por tempo indeterminado.

As 465 unidade judiciárias contam com um total de sete mil funcionários. Os serviços essenciais ainda estão em funcionamento e não devem cessar.

Publicidade
Publicidade

A reivindicação se concentra no pedido de valorização da carreira baseada em tempo de serviço, melhoria de desempenho e qualificação da categoria.

Segundo o presidente do Sindicato dos Servidores Judiciais de Pernambuco - Eliseu Magno - A greve não foi orientada a parar os serviços essenciais da justiça, serão assim mantidos os serviços de urgência como questões de alimentação, saúde e réus presos, incluindo avarás de soltura e júri popular que continuarão em funcionamento. As medidas liminares e cautelares também não devem ser prejudicadas.

O sindicato aponta o raking nacional dos servidores do judiciário onde o Estado de Pernambuco é apontado como um dos lugares em que houve significantes melhoramentos na prestação de serviços a partir do ano de 2011, estando entre os que mais produzem.

Publicidade

Contudo, são os que ganham menos vencimentos. Segundo Eliseu Magno, um bom plano de carreira é essencial para evitar a evasão de servidores do judiciário que é crescente, em oito anos um número de dois mil funcionários deixaram o Tribunal de Justiça de Pernambuco espontaneamente para recomeçar a carreira profissional em outros ramos em virtude do baixo salário.

A proposta do sindicato é que o plano de carreira incorpore ao salário base as gratificações por tempo de serviço, melhorias de qualificação e desempenho. Dentre os argumentos utilizados está o de que na aposentadoria os profissionais chegam a receber menos do que recebiam ao ingressarem no serviço público.