O governador de Pernambuco Paulo Câmara e o prefeito Geraldo Júlio assinaram hoje (29) decreto de estado de emergência por causa do alto número de casos de microcefalia na região. Ontem (28), o Ministério da Saúde confirmou que há relação entre microcefalia e o zika vírus.

A descoberta divulgada pelo ministério foi realizada pelo Instituto Evandro Chagas, de Belém do Pará, e se deu após exames feitos em bebê que nasceu com microcefalia e morreu no Ceará. Nas amostras de tecidos e sangue do bebê, foi vista presença do vírus Zika. 

O decreto de estado de emergência foi assinado hoje e começa a valer terça-feira (01), com duração de 180 dias. Pernambuco é o Estado com maior número de registros de microcefalia no Brasil.

Publicidade
Publicidade

Paulo Câmara afirmou que o governo e prefeitura irão trabalhar em conjunto para que a situação de 2014 e 2015 não venha a se repetir em 2016. De acordo com ele, Poder Público e sociedade civil irão trabalhar juntos para chegar a um resultado satisfatório. Ele chamou a epidemia de "maior crise da saúde no Brasil". Câmara disse ainda que órgãos de saúde pública de todo o Brasil estão cientes das medidas emergenciais que devem ser adotadas a partir de agora.

Zika vírus é oficialmente ligado à microcefalia

Após a segunda morte ligada à #Doença ser confirmada, o Ministério da Saúde brasileiro confirmou a relação entre a epidemia de microcefalia, que está forte no Nordeste, e a infecção pelo zika vírus. Em outubro, uma menina de 16 anos, moradora de Benevides, no Pará, morreu. Na época, a suspeita da morte foi dengue. 

Após o diagnóstico ser alterado, a postura do ministério mudou.

Publicidade

Agora, o protocolo de tratamento do paciente será diferente e receberá mais atenção. Quando chegou ao país, o zika vírus era considerado algo de pequena gravidade. Até agora, não havia nenhum caso no mundo que ligasse mortes à doença - ela era conhecida como "prima fraca da dengue".

Pernambuco é o local com maior número de casos, mas o Nordeste inteiro está em atenção. Apenas no Piauí, por exemplo, foram registrados 36 anos, representando aumento de mais de 300%.