As passagens dos ônibus que circulam pela Região Metropolitana do Recife (RMR) ficará mais cara. De acordo com o sindicato que representa as empresas de ônibus da região (Urbana-PE), a proposta é que o valor do Anel A passe dos atuais R$ 2,45 para R$ 3,25, o que representa um amento de 32% no valor da tarifa. Já o Anel B subiria de R$ 3,35 para R$ 4,40.

O anúncio do Urbana repercutiu negativamente nas redes sociais e na imagem do governador do Estado de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB). Muitos usuários compartilharam vídeos e mensagens em que o político prometia o congelamento da tarifa A em R$ 2,15. O material data da campanha de Câmara para as eleições de 2014.

Publicidade
Publicidade

A proposta de reajuste apresentada pelo Urbana-PE será avaliada nesta sexta-feira (15) pelo Conselho Superior de Transporte Metropolitano, órgão responsável por debater os temas relacionados ao transporte público na Região Metropolitana do Recife. A reunião acontece às 8h, no Centro de Convenções de Pernambuco, localizado na cidade de Olinda.

Segundo o presidente do Grande Recife Consórcio de Transporte, Francisco Papaléo, o novo valor das tarifas não será necessariamente o proposto pelo sindicato das empresas. O secretário das Cidades, André de Paula, também assegurou que o #Governo se esforçará para que o reajuste seja o menor possível. Outra fonte ligada ao Governo declarou que o aumento das passagens não chegará nem perto do que pedem os empresários da Urbana-PE. 

Protesto

Em virtude da proposta de reajuste apresentada pelo sindicato das empresas de ônibus, movimentos sociais estão organizando protestos contrários ao aumento das tarifas.

Publicidade

A Frente de Luta pelo Transporte Público marcou para esta sexta-feira (15) o primeiro protesto da organização. A caminhada terá concentração na Praça do Derby, área central do Recife, a partir das 8h, e seguirá pelas principais vias da cidade.

Outras reivindicações

A  Frente de Luta pelo Transporte Público também defende que o passe livre seja disponibilizado para todos os estudantes do estado. Atualmente, o benefício é exclusivo para alunos da rede pública de ensino. Outra reivindicação é o congelamento do valor das passagens de ônibus, em conformidade com a proposta de campanha apresentada por Paulo Câmara durante as eleições de 2014.