Definitivamente, o ano de 2016 não é do Partido dos Trabalhadores (PT). Após ter diversos dos seus nomes envolvidos em denúncias de corrupção e do #Impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff ter se concretizado, agora a legenda sofre agressões diárias dos eleitores. Que o diga João Paulo, candidato pelo PT em Recife, Pernambuco. Ele tenta a prefeitura, mas não esperava encontra em seu caminho um eleitor bastante enfurecido. O homem que agride o candidato em vídeos que foram parar na internet é um economista. Ele garante que só partiu para cima do opositor porque foi pressionado primeiro. 

De acordo coma versão da assessoria do candidato, inicialmente, o economista parecia quer parabenizá-lo.

Publicidade
Publicidade

Ele até apertou sua mão e tudo, mas em seguida começou a xingar João Paulo e o #PT de ladrões. A partir daí teria se iniciado o empurra empurra, que foi gravado por várias pessoas que estavam no restaurante onde aconteceu toda a confusão. De acordo com informações do UOL, tanto o representante do PT, como o economista, identificado pelo nome de Bruno D'Carli, prestaram uma queixa em uma delegacia da região. 

Adversário do petista, o atual prefeito, Geraldo Julio, do PSB, usou as redes sociais para prestar solidariedade ao colega. Geraldo, mesmo tentando à reeleição disse que não é esse tipo de coisa que se espera dos eleitores nas ruas. "Chegou ao meu conhecimento que o candidato João Paulo sofreu agressões num shopping da cidade. Não se sabe ainda os detalhes do episódio. Sou contra qualquer tipo de violência e presto aqui minha solidariedade ao candidato João Paulo". 

No Facebook, a assessoria do candidato do PT também se pronunciou.

Publicidade

"Não compactuamos dessa cultura do ódio e da violência. Vamos tomar todas as medidas legais. Essa cidade não vai ser a cidade da intolerância. O Recife vai continuar sendo de quem sabe ouvir, da democracia, do respeito ao outro. Nossa arma é o amor pela cidade, nosso escudo é a voz do povo.".

Veja o vídeo com o momento da agressão e tire suas próprias conclusões: