A #Festa do Morro da Conceição teve seu início em 8 de Dezembro de 1904, data em que foi inaugurada o Monumento de Nossa Senhora da Conceição, em referência ao cinquentenário da Imaculada Conceição. Construída em Portugal e trazida para o Brasil de navio, o monumento mede 5,5 metros de altura, tem suas mãos unidas em forma de oração e pisa uma cobra. A imagem faz referência à passagem bíblica de Gênesis. Após a inauguração o local passou a receber romeiros que vinham, por meio de sua fé, orar e pagar promessas em devoção à Santa. A data de inauguração passou a ser considerada feriado municipal em Recife.

Todos os anos é realizada um procissão, chamada Procissão da Bandeira, que leva uma imagem da Santa e uma bandeira alusiva a ela.

Publicidade
Publicidade

Desde 29 de novembro há uma novena que segue até o dia 7 de dezembro. No dia 8, o dia culminante da festa, são realizadas missas, começando de madrugada e finalizando a festa religiosa com uma outra procissão.

Com relação à festividade profana, havia no mesmo espaço onde hoje se localiza a paróquia, brinquedos infantis e várias barracas com comidas e bebidas. No entanto, em 1959 uma tragédia no local fez com que o pároco da época, monsenhor Teobaldo de Souza Rocha, junto com as autoridades, conseguissem retirar a festa profana do local onde eram realizada as atividades religiosas.

Entenda

Na madrugada de 8 de dezembro de 1959, ainda por motivos duvidosos, um tumulto, seguido de pânico, tomou conta do local, deixando sete mortos e cerca de 100 feridos. Fala-se em curto circuito elétrico nas ligações improvisadas dos brinquedos, estouro de um cilindro de gás e até mesmo de disparos de arma de fogo.

Publicidade

Algumas versões de pessoas que presenciaram o incidente ainda divergem, mas o fato é que aquela fatídica noite de dor e desespero manchou um pouco essa passagem de muita fé e devoção que circunda a Festa do Morro.

A procissão de encerramento, com percurso de 7 km, sairá às 14h do dia 8, do estacionamento da prefeitura do Recife, e finaliza com uma missa campal celebrada pelo arcebispo metropolitano de Olinda e Recife, Dom Fernando Saburido. Espera-se um público de 1,3 milhões de pessoas nos dez dias de festa e todo o dinheiro arrecadado será utilizado para finalização das obras da Igreja de São José, no Alto José Bonifácio, em Casa Amarela, e para a própria manutenção do Santuário de Nossa Senhora da Conceição.