A violência contra policiais foi criticada hoje (23) por Luiz Fernando Pezão, governador do Rio de Janeiro. Luiz defendeu que criminosos que atiram contra policiais devem ser julgados com penas mais duras. A nota dada pelo governador é decorrente da morte ocorrida neste fim de semana, onde foram mortos por criminosos quatro policiais (dois militares e dois civis), na região metropolitana do Rio e um guarda municipal, baleado na favela da Rocinha.

Luiz Pezão justificou sua defesa a favor de panas mais duras a criminosos, como uma forma de banir a criminalidade e a violência contra policiais. Enfatizando que, embora seja a favor de penas mais duras, ele é contra qualquer tipo de violência contra qualquer cidadão, seja homem, mulher, criança, idoso, e que quando uma bala atinge uma pessoa, é uma imensa dor saber que alguém morreu covardemente vítima da violência.

Publicidade
Publicidade

O governador vem conversando com o ministro da Justiça, Eduardo Cardozo, para que a #Legislação possa ser ajustada a esses criminosos que atentam contra o policiamento nas ruas. Segundo ele, os policiais vão até as comunidades levar segurança e acabam sendo mortos injustamente.

Pezão afirmou que irá se empenhar dentro do Congresso para que mudanças na legislação possam ser realizadas, banindo criminosos que atiram contra policiais, com penas mais duras.

Durante o velório de um dos policiais baleados no último fim de semana, José Mariano Beltrame, secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro, compareceu a fatídica situação, e declarou que a polícia está sozinha nesta batalha contra a violência e prova disso são policiais mortos diariamente vítimas de criminosos.

Beltrame enfatizou a selvageria em que o país, principalmente dentro do Rio de Janeiro, vive em relação à violência.

Publicidade

Pessoas que não possuem qualquer tipo de amor à vida, matam pessoas até mesmo por um celular e quando descobrem que é um policial, covardemente realizam o #Crime sem nenhuma compaixão. O secretário ressaltou que no Brasil, e mais especificamente no Rio, a polícia luta sozinha contra a violência e a criminalidade.