Mais um acidente com prédios no Brasil. Esse tipo de acidente, infelizmente, já é comum ocorrer com os imóveis brasileiros. Dessa vez, foi um prédio de 4 andares que desabou no Rio de Janeiro. O acidente ocorreu no dia 2 fevereiro durante a madrugada. Felizmente não houve feridos. Os motivos do ocorrido ainda estão sendo investigados, mas supõe-se que pode ter sido causado pelas fortes chuvas.

O prédio passava por construções não autorizadas pela prefeitura. A obra de reforma irregular, provavelmente, aumentou os riscos desabamento. Segundo vizinhos do prédio, a construção estava causando quedas de pedras em uma academia ao lado.

Publicidade
Publicidade

Essa academia foi danificada pela queda ocorrida. A defesa civil está avaliando o acidente e ainda não encontrou nenhuma vítima. Os imóveis vizinhos estão sendo observados, a fim de verificar se há risco de desabarem também. Não é incomum haver acidentes, desabamentos, rachaduras em prédios, por falta de inspeção prévia. Por isso, não deve haver omissões quanto ao cumprimento da lei.

Conheça algumas dessas ocorrências de tragédias em prédios no Brasil

Um exemplo famoso de acidente em prédios é o do edifício Joelma, que era totalmente favorável à propagação rápida do fogo, devido a materiais inflamáveis, como móveis de madeira e cortinas. Além disso, não possuía heliponto nem brigadistas. Sem escadas de emergência, não tinha plano de evacuação e o sistema elétrico era precário, o que causou um desastre devido a um curto circuito de um ar-condicionado.

Publicidade

O incêndio resultou em 191 mortos e 300 feridos. No início do incêndio, um funcionário tentou usar um extintor, mas não foi bem sucedido. Acredito que um dos motivos pelo fogo ter se espalhado tão rápido, pode ter sido também o fato do extintor não ter sido utilizado no ar-condicionado, pois foi este aparelho o motivo inicial do incêndio. O extintor deveria ser usado primeiramente no local gerador do fogo, evitando o alastramento.

Outros casos de acidentes foi a do edifício Andorinhas e a do Andraus, ambos ocorreram devido a curto circuito e geraram vítimas. No edifício Andraus, o incêndio vitimou menos pessoas que no edifício Joelma pelo fato de ter sido mais bem preparado na segurança do trabalhador. Possuía escadas de emergência, heliponto, entre outros instrumentos essenciais para a rota de fuga. Foram 16 mortos e 330 feridos no edifício Andraus. Já no edifício Andorinhas, o sinistro também se iniciou devido a curto circuito no sistema elétrico, vitimou 21 pessoas e feriu 50.