Os garis da Comlurb (Companhia Municipal de Limpeza Urbana) do Rio de Janeiro estão de volta ao trabalho, após a #Greve, que durou 8 dias, causando transtorno e muita sujeira às ruas da cidade.

Os líderes do movimento grevista reuniram-se com o MPT (Ministério Público do Trabalho), e após 4 horas de reunião decidiram pelo retorno ao trabalho. 

Dentre as reivindicações propostas foram aceitas o aumento de 8% no salário, auxílio-funeral no valor de R$800,00, além do vale-alimentação no valor de R$20,00.

Além disso, os líderes de turma terão direito a receber hora extra pelo tempo trabalhado e pelo rendimento das metas propostas às suas equipes, no tocante a limpeza e manutenção das áreas determinadas e supervisionadas por cada líder.

Deborah Felix,  procuradora regional do trabalho, mediou a reunião e durante o encontro com as lideranças grevistas manteve contato telefônico com a Procuradoria do Município do Rio de Janeiro, objetivando chegar a um acordo que fosse satisfatório para ambas as partes. 


A greve seria julgada na próxima segunda (23) pelo TRT (Tribunal Regional do Trabalho), possivelmente sendo considerada abusiva, uma vez que os líderes do movimento não cumpriram a exigência de respeitar um prazo de 3 dias, após comunicar a empresa, para então dar início à paralisação.

Ontem à noite, durante assembleia da categoria em frente ao prédio do Ministério Público do Trabalho (MPT), houve votação, que decidiu pelo encerramento da greve.

Haverá uma audiência de conciliação da categoria de trabalhadores com a Companhia de Limpeza Urbana no Tribunal Regional do Trabalho, para acertar detalhes jurídicos, incluindo a forma de pagamento dos benefícios adquiridos, e a reposição de trabalho dos dias em que os garis estiveram parados.

É grande a quantidade de lixo por toda a cidade, e calcula-se que a limpeza total levará por volta de 5 dias, o  que trará alívio ao povo carioca, prejudicado pelos últimos temporais, que espalham a sujeira, trazendo risco de doenças, como a dengue, cujo número de casos vem crescendo, nos últimos meses.