Com o já conhecido refrão manifestantes gritavam 'Globo Assassina' e 'O povo não é bobo, abaixo Rede Globo'. Assim foram recebidos os profissionais da GloboNews que estavam encarregados de cobrir um protesto contra a violência policial e a morte do menino de 10 anos, Eduardo de Jesus Ferreira.

Segundo informações da emissora a equipe foi tratada com hostilidade quando chegou para fazer a cobertura de uma manifestação. Os protestos referiam-se ao caso de Eduardo de Jesus e a violência contra policiais, mas não puderam ficar porque foram expulsos pelos manifestantes.

O fato aconteceu neste sábado (4), no Complexo do Alemão, zona norte do Rio de Janeiro.

Publicidade
Publicidade

De acordo com declarações do UOL, a equipe do canal de TV fechada GloboNews, sentiu-se ameaçada ao ser assediada e vaiada pelas pessoas que participavam do protesto gritando palavras de ordem como: 'Globo assassina' e em um grande couro outros completavam, 'O povo não é bobo, abaixo a Rede Globo'.

Alguns organizadores do movimento ainda tentaram defender a liberdade de trabalho da imprensa, mas não obtiveram sucesso e sem outra alternativa a equipe da emissora teve que abandonar o local, sem poder exercer o seu direito de trabalhar e assim manter a população bem informada.

O Governo do Rio publicou uma nota neste sábado declarando que os policiais que fizeram parte da referida operação, já se encontram afastados de suas atividades policiais de rua. Informa ainda que suas armas foram apreendidas e as mesmas passarão por exames balísticos, devendo então responder a inquérito policial.

Publicidade

Em outra nota a assessoria da Coordenadoria de Policia Pacificadora afirma que o patrulhamento continua recebendo reforço do 'Comando de Operações Especiais' (COE). Essa guerra entre polícia e moradores de comunidades já é bem antiga. Na tentativa da pacificação sempre acaba acontecendo um episódio de violência pra um dos lados, policiais reclamam da resistência que encontram nas favelas alguns moradores dificultam o trabalho.

Por outro lado a comunidade acusa os policiais de agir com truculência, sair atirando sem procurar culpado ou inocente e por causa dessa guerra o pequeno Eduardo foi a 4º vitima morta por bala perdida nesses dois dias. A população chocada se pergunta, até quando? #Televisão