Celso Pinheiro Pimenta, o Playboy, foi baleado e morto pela polícia militar do Rio de Janeiro neste sábado, 08. Ele era o traficante mais procurado da cidade. Celso já havia sido condenado a 15 anos de prisão por homicídio qualificado, roubo e tráfico de drogas. A recompensa para quem quisesse saber o paradeiro do traficante era de R$ 50 mil. Durante o 'RJTV 2ª Edição' deste sábado, Vandrey Pereira anunciava a notícia pra os moradores do Rio de Janeiro. Durante apenas um bloco do jornal três imagens de Playboy morto foram mostradas. Elas foram exibidas por pelo menos três vezes. Ao longo da programação, ainda no fim do 'Jornal Hoje', uma das fotos já havia sido transmitida pelo canal.

Publicidade
Publicidade

O mesmo telejornal criticou nesta semana a atitude da SuperVia, concessionária que administra os trens urbanos do Rio de Janeiro. A SuperVia autorizou que uma composição passasse por cima de um homem que estava sobre os trilhos. A perícia ainda não soube informar se a vítima já estava morta no momento do incidente.

Rodrigo Pimentel, o mesmo que disse que passar por cima do homem morto era #Crime de vilipêndio de cadáver, esteve de novo no telejornal da Globo. Ele dessa vez não comentou a respeito das imagens. Uma delas, talvez a mais impressionante de todas, mostrava Playboy dentro de uma embalagem plástica. Nas redes sociais, o público do Rio de Janeiro mostrou revolta, mas teve gente que comemorou a morte e exposição do traficante.

Um deles foi o produtor Ubiratan Santos.

Publicidade

Ele lembrou que a emissora nunca teve essa atitude e que o público carioca está surpreso por o canal mostrar fotos de um corpo. "Ela tá se rendendo ao jornalismo sensacionalista, nem que seja bem de leve", disse Ubiratan.

Já para G.B, que se manifestou no Twitter o foco foi outro: "ainda bem que mataram o Playboy, menos um. Ele deve ter ido para o inferno", disse revoltava a internauta que mora em uma comunidade da cidade maravilhosa.

O artigo 212 da constituição brasileira garante que o cadáver tem direitos. Por não poder mais fazer nada por si, qualquer tipo de exposição indevida ou ofensa é considerada crime. #Televisão