Após uma longa investigação, a Justiça do Rio de Janeiro decretou nesta quarta-feira (09) a prisão de seis policiais envolvidos no crime de extorsão a um traficante. André Damião de Andrade, vulgo "Coroa", da comunidade de Vila Kenedy, localizada em Bangu, zona norte da cidade, foi preso por não ceder e pagar o valor pedido pelos policiais.

O traficante foi preso quando estava em sua casa na Vila Kenedy. André Damião conta em depoimento que os policiais estiveram na favela 'Faz Quem Quer' na zona norte, há duas semanas, e que pediram 500 mil para não prender uma mulher que estava na casa, onde foi encontrado drogas e dinheiro.

Publicidade
Publicidade

Como a quantia era alta, a mulher foi levada para a 29ª Delegacia de Polícia. Por telefone, o traficante negociou com os policiais e fez o acordo, iria pagar R$ 100 mil, depois mais R$ 70 mil e depois mais R$ 30 mil. A mulher foi solta, mas André Damião não cumpriu o acordo, e só pagou R$ 70 mil. Por conta disso, os policiais foram cobrar o restante, e, após o traficante dizer que não tinha o dinheiro, eles deram voz de prisão e levaram André para a delegacia do catete, na zona sul da cidade.

No seu primeiro depoimento, o traficante André Damião denunciou todos policiais que participaram da extorsão. São eles: os policiais militares, Aleksander Viana Machado e Fábio Bernardo dos Santos Reis, e os policiais civis, Olavo Cerqueira Escovedo, Robson Pierre Abreu de Souza, Antonio Claudio Rayol e Luiz André de Oliveira Fraga.

Publicidade

A policia pediu um novo depoimento do traficante. Ele tentou voltar atrás e inocentar os policiais, mas a corregedoria já estava no caso e teria gravado todo o primeiro depoimento do traficante. Segundo a Secretaria de Segurança Pública do Rio de Janeiro, com as gravações e o grampo que foi colocado no telefone do traficante, a corregedoria provou que o segundo depoimento foi falso.

Participaram do crime de extorsão e sequestro quatro dos seis policiais citados. Foi dada a voz de prisão para os quatro policiais que se encontravam na delegacia, os outros dois estão soltos. Procurados pela imprensa, eles não quiseram se manifestar. #Blasting News Brasil #Investigação Criminal #Casos de polícia