Um casal seguiu a rota informada pelo aplicativo de GPS Waze, com o objetivo de chegar à uma avenida turística em Niterói, uma grande cidade em frente à baía do Rio de Janeiro. Em vez disso, o app levou-os à uma outra rua, de mesmo nome, também em Niterói - e à morte da mulher.

Murmura Regina, 70 anos, era uma agente de viagens que tinha usado o aplicativo Waze enquanto viajava através de Niterói com seu marido de 69 anos, Francisco. A mesma foi morta na noite de sábado, 3, de acordo com um porta-voz da polícia militar. O aplicativo levou o casal à uma pequena estrada em uma das favelas mais notórias e perigosas da cidade. ''Abriram fogo com 20 balas que atingiram o carro do casal e naquela área onde o tráfico de drogas é o que predomina'', disse o porta-voz da polícia. 

Francisco Murmura conseguiu dirigir o carro até um lugar seguro.

Publicidade
Publicidade

Ele não foi hospitalizado. O Waze se pronunciou e disse que estava "incrivelmente triste" com o incidente. "Infelizmente, é difícil impedir o condutor de navegar para um bairro perigoso se for o destino que escolher", disse a empresa. "Os cidadãos que residem nestas áreas precisam ser capazes de chegar em casa", completou o Waze em sua resposta.

O incidente levanta preocupações sobre segurança antes das Olimpíadas

O incidente suscitou preocupações sobre a segurança em torno das favelas durante os Jogos Olímpicos no Rio e também sobre o uso de aplicativos de GPS para o próximo ano, onde bairros controlados por gangues ficam ao lado de áreas turísticas. Nos últimos anos, a polícia estabeleceu uma presença permanente em dezenas de bairros perigosos (UPP - Unidade De Polícia Pacificadora), mas muitos ainda são controlados por quadrilhas de traficantes.

Publicidade

O Waze disse que iria se reunir com funcionários do Centro de Operações do Rio de Janeiro esta semana para entender como a cidade está a abordar o risco de condução em suas ruas e bairros. No caso de Niterói, uma atriz brasileira cometeu o mesmo erro, há dois meses, seguindo seu GPS na favela Caramujo. Ela também foi alvejada com tiros, mas sobreviveu.

A polícia respondeu nesta segunda-feira, 5, que ninguém ficou ferido no mais recente incidente por assalto em Caramujo, que gerou troca de tiros com membros de gangues. Ainda de acordo com o porta-voz da polícia, também ninguém foi preso. 

Com relação ao caso do assassinato da idosa de 70 anos, a polícia afirma já ter encontrado um suspeito. #Rio2016 #Violência #Blasting News Brasil