O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, não esconde a crise que o estado tem passado. Entre os problemas financeiros está o atraso no pagamento de 20 mil terceirizados. Mas, segundo as últimas entrevistas do governador, os servidores públicos do estado também têm motivos de sobra para estarem preocupados, principalmente em relação ao salário da folha de novembro e o pagamento do 13º, que ainda não está garantido.

Pezão disse, ao jornal carioca O Dia, que não sabe como pagará o 13º dos servidores, já que ainda não conseguiu receita para conseguir realizar o depósito dos vencimentos de novembro. À Rede Globo, ele assumiu que "os servidores precisam ficar preocupados".

Publicidade
Publicidade

Segundo ele, a "folha de novembro está quase garantida, já o 13° será pago só quando todos os servidores receberem o salário, mas vai depender do fluxo de caixa", disse o governador em entrevista coletiva na última quarta-feira.

Segundo ele, a baixa na arrecadação neste mês esvaziou os caixas do #Governo do estado, levando a uma dívida total de R$ 1,5 bilhão, sendo que R$ 128 milhões são na secretaria de segurança e R$ 68 milhões, relativos à assistência social. Com a saúde, o rombo é muito maior, de R$ 875 milhões e com educação de R$ 177 milhões. Pezão disse que vai pagando as dívidas conforme recebe repasses do governo federal e de arrecadação, a partir do próximo dia 30.

Pezão explicou, no Bom Dia Brasil, que faz três baterias de pagamentos, nos dias 7, 17 e 27. Disse, ainda, que pretende fazer o pagamento de R$ 88 milhões, incluindo os aposentados e pensionistas e servidores do estado e depois, aos fornecedores, a partir do dia 30.

Publicidade

Na última semana, o governador precisou escolher entre pagar os fornecedores ou preservar o caixa para depositar o vencimento dos trabalhadores do estados. O Tesouro Estadual repassou de R$ 900 milhões ao Rioprevidência para garantir o benefício de 250 mil aposentados e pensionistas. Com isso, o governo foi obrigado a suspender o pagamento de todos os 7.400 fornecedores do Estado do Rio. #Crise econômica