Neste domingo (06/12) ocorreu uma "Caminhada pelo fim da #Violência contra as mulheres" e o local foi a praia de Ipanema (RJ). Na ocasião compareceram cerca de 300 pessoas.

A violência contra as mulheres no Brasil  é muito grande, o país ocupa a 5ª posição no total de 83 países. O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) recebe em torno de duas mil denúncias no mês.

A caminhada é uma forma  de mensagem para que as pessoas se conscientizem e digam não à violência contra as mulheres. A caminhada contou com pessoas da sociedade, sendo 150 do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro e com a participação da banda da polícia militar.

Publicidade
Publicidade

Lúcia Iloizio (coordenadora do centro de apoio operacional das promotorias (CAD) de justiça de violência doméstica contra a mulher), informou que este ano houve 32 mil denúncias contra a mulher e 70% foi de violência doméstica.

O coronel da PM (Polícia Militar), Alberto Pinheiro, disse que acontecerá a assinatura de um acordo entre PM e o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), que será fundamental e de grande ajuda para que mais informações de denúncias aconteçam.

Há um projeto para que se instale nos hospitais que tiverem a PM, um canal instantâneo, assim facilitará na agilidade dos casos de agressão contra as mulheres. O Ministério Público será acionado imediatamente e poderá dar maior assistência às mulheres vítimas de agressão.

A violência no Brasil contra as mulheres é grande e ocorre de várias formas: no ambiente doméstico, com casais de namorados, casos de estupros, ruas, escolas e universidades.

Publicidade

As mulheres sofrem assédio sexual e discriminação, principalmente as negras. Muitas são vítimas de agressões dos maridos, filhos e se calam diante do fato, não denunciando o infrator.

É preciso perder o medo e revelar o que acontece com relação à violência que sofrem. As mulheres merecem respeito, carinho e compreensão e os homens precisam tratar melhor as suas companheiras e mães, enfim todas as mulheres. Apesar de ser considerado o sexo frágil, são elas que geram a vida.

Essa campanha "Caminhada pelo fim da violência contra as mulheres" não pode parar, é preciso que a conscientização se estenda e que continue através da mídia, escolas e ruas. As denúncias são importantes para que não ocorram agressões com tanta frequência, e que os culpados paguem pelos seus crimes.