Após o repasse de R$ 300 milhões para a saúde, os atendimentos nos grandes hospitais do Rio de Janeiro, voltaram ao normal nessa sexta feira (25), depois de um colapso. Como anunciou o governador do estado Luiz Fernando Pezão, através de empréstimos e doações o valor foi arrecadado durante essa semana para que materiais básicos fossem distribuídos e os atendimentos realizados. No entanto os salários dos funcionários ainda estão atrasados. 

De acordo com a gravidade dos casos, muitos pacientes são encaminhados para Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) mais próximas, procedimento considerado normal em todas as unidades. 

Veja abaixo a lista dos hospitais em funcionamento:

#Hospital Rocha Faria, em Campo Grande

Hospital Getúlio Vargas, na Penha 

Hospital Albert Schweizer, em Realengo

Hospital Carlos Chagas, em Marechal Hermes 

Hospital Adão Pereira Nunes, em Duque de Caxias 

Hospital Azevedo Lima, em Niterói 

Hospital Alberto Torres, em São Gonçalo 

Após cancelar uma viagem que faria ao Rio de Janeiro na última terça-feira (23), a presidente Dilma Rousseff chamou os ministros ao Palácio do Planalto e decidiu criar um gabinete para resolver o colapso no sistema de saúde fluminense.

Publicidade
Publicidade

"A coordenação nossa, federal, com toda a rede federal à disposição, toda rede estadual e toda rede municipal está agindo em sinergia, agindo em harmonia, vendo e distribuindo as tarefas, transferindo doentes, se for necessário, levando equipamentos, medicamentos, ou seja, tomando todas as decisões necessárias para amenizar o problema que estamos passando, problemas emergenciais que estamos passando no Rio de Janeiro", disse o ministro da saúde Marcelo Castro.

Na reunião participaram o Ministro da saúde, Marcelo Castro, o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, e os presidentes do Banco do Brasil, Alexandre Abreu, e da Caixa Econômica, Miriam Belchior. Segundo o titular da Saúde, o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, também participou do encontro por teleconferência. Foi acordado pelo gabinete, uma liminar que obrigou ao #Governo estadual a disponibilizar imediatamente os recursos obrigatórios destinados à saúde.

Publicidade