Quem pensa ir ao Corcovado no próximo final de semana vai precisar dar uma paradinha no caminho. É que pertinho da estação de trem que leva ao Cristo Redentor está o Museu Internacional de #Arte Naïf (MIAN), que estará promovendo em seus jardins (Rua Cosme Velho, n° 561) uma feira incrível de artesanato nos próximos dias 12 e 13 de dezembro, das 10h às 16h30. A entrada é franca.

Trata-se do projeto Artesanato no Naif que reunirá mais de 30 artesãos expondo e comercializando peças artesanais como patchwork, bordados, bijuterias em couro e prata e objetos em cerâmica. Ótimas opções de presente para as festas de final de ano com preços que cabem no seu bolso.

Publicidade
Publicidade

Além disso, quem adquirir os produtos terá 50% de desconto no ingresso para visitar o Museu Naif.

O projeto é uma iniciativa da Ong ATOAR em parceira com a Cooperativa Mistura Carioca com o apoio do MIAN. Estarão presentes no evento dois artistas naifs, que têm suas obras expostas no museu permanentemente.

Sobre o MIAN

Desde 1995 o MIAN está instalado no Cosme Velho com um acervo permanente de 6.000 pinturas de artistas de 120 países. Dirigido por Jacqueline Finkelstein (filha do fundador francês) é considerado a maior coleção do gênero naif no mundo. Além da exposição permanente o Museu oferece vários cursos de artes manuais e tem nas instalações do prédio histórico uma lojinha de suvenir e um café. 

A exposição permanente apresenta cinco temáticas: "Uma viagem na Alma Brasileira", "Brasil 5 séculos: um olhar naif", "Rio de Janeiro Naif", "Mestres Naifs Brasileiros" e "Rio de Janeiro Gosto de Você, Gosto dessa gente feliz Brasil Naif".

Publicidade

O Museu funciona de terça a sexta-feira, de 10h às 18h e sábado e domingo, de 10h às 17h.

Arte Naif

Naïf  tem uma forte ligação com a natureza. Como adjetivo francês, naïf significa nascente, natural, espontâneo, primitivo. A pintura naïf é natural, livre e pura. Esse termo foi cunhado pela primeira vez como um apelido utilizado para designar a personalidade e a obra do pintor Henri Rousseau (1890). Entre os brasileiros destacam-se Agostinho de Freitas, Aparecida Azedo e Bebeth.

#Rio Cultura #Rio2016