A situação da saúde pública não anda bem em todo o país, mas no caso do Rio de Janeiro já se tornou caótica, levando a presidente #Dilma Rousseff a anunciar uma ação interministerial para conter a situação.

Na manhã dessa quarta-feira (23), a presidente teve uma reunião com ministros e presidentes de bancos públicos, para debater sobre a crise econômica e da saúde em que se encontra o Estado do Rio de Janeiro, através de uma teleconferência com o governador do Estado, Luiz Fernando Pezão.

Vai ser criado um gabinete de crise para controle de doenças causadas pelo mosquito Aedes aegypti, tendo a cooperação da rede hospitalar federal, estadual e municipal.

Publicidade
Publicidade

Ainda segundo o Ministro da Saúde, Marcelo Castro, esse gabinete de crise vai fornecer equipamentos, medicamentos e, se necessário, a transferência de pacientes.

O Ministro da Saúde se encontrava com o Ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, e, segundo Marcelo Castro, a finalidade é descobrir uma saída para "o grave problema da saúde do Rio de Janeiro". O #Governo ainda não chegou a pedir ajuda do Exército, mas o ministro afirmou que a instituição vai cooperar no combate ao mosquito Aedes aegypti.

A grande preocupação do governo em combater o mosquito Aedes aegypti é porque ele, além de transmitir a dengue e a chikungunya, está também transmitindo o vírus Zika, que está sendo considerado o maior problema da saúde pública do Brasil no momento, pois, no caso de mulheres grávidas, está causando sequelas da doença que é a microcefalia.

Publicidade

Não foi confirmado pelo ministro quando começará a distribuição de repelentes para as mulheres grávidas, mas ele afirma que já está sendo providenciado.

A presidente Dilma Rousseff chegou ao Palácio do Planalto em torno das 10h, depois de cancelar a ida para o Rio de Janeiro, onde participaria da inauguração de um parque que faz parte do complexo olímpico de Deodoro. Estavam presentes na reunião: Além de Wagner e Castro, o Ministro da Secretaria de Governo, Ricardo Berzoini, o Ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, além dos presidentes do Banco do Brasil, Alexandre Abreu e da Caixa Econômica Federal, Miriam Belchior.

Através de uma teleconferência com o governador do Rio, Antonio Pezão, Castro também informou que, além das medidas que o ministério da saúde vai realizar, será providenciado uma solução econômica, pelo ministro da fazenda, Nelson Barbosa, para o Rio de Janeiro. #sistema de saúde