Hoje, os vereadores de Maricá, no Rio de Janeiro, fizeram o repasse de um cheque no valor de R$ 2.242.288,40 para as mãos do prefeito Washington Quaquá (#PT), referentes às sobras das despesas de 2015. O penúltimo dia do ano rendeu também um bate-boca histórico na Câmara de Vereadores, com direito a xingamentos à plateia, gestos obscenos, troca de acusações e discussões acaloradas entre o governante e o subsecretário de estado da Região Metropolitana e pré-candidato à prefeitura de Maricá, Marcelo Delaroli (PR).

O prefeito, em seu discurso, prometeu que irá destinar o dinheiro para a compra de mais dez ônibus da frota da Empresa Pública de Transportes (EPT), criada neste ano.

Publicidade
Publicidade

Quaquá ressaltou as melhorias feitas pela sua gestão.

“Nós pegamos um município desacreditado e ninguém conhecia a cidade. Onde, uma empresa de ônibus mandava em Maricá. E no geral, os prefeitos, presidentes da Câmara e vereadores se elegiam comendo na mão dos empresários. E depois, viravam ou galinhas ou porcos dessa empresa. Nós revertemos esse processo”, disse.

Quaquá ainda lembrou que o governador do estado deve à Maricá R$ 5 milhões para melhorar a Saúde, que foi assumida pela prefeitura.

Um cidadão, presente no plenário protestou:

“Mais R$ 5 milhões para você jogar fora, prefeito?”

O chefe do Executivo retrucou:

“Você quer que eu mande você calar a boca ou dar um beijinho?”

Quebra-pau

Após essa fala, todo o decoro foi abaixo na Câmara. O prefeito de Maricá continuou discursando no plenário a respeito de seu plano de governo.

Publicidade

Mesmo com pedidos insistentes de silêncio pelo presidente da Casa, o vereador Chiquinho (PT), a plateia não se conteve.

“Aqueles que estavam nessa Câmara e embolsavam dinheiro público indevido e o Tribunal de Contas mandou devolver ficam nervosos”, disse Quaquá.

Presente no plenário, o subsecretário da Região Metropolitana e pré-candidato à prefeitura de Maricá, Marcelo Delaroli (PR), respondeu:

“Ué, Adelso, está falando contigo.”

Prefeito despeja ofensas

Os presentes chamaram o prefeito de “ladrão” e outros termos de baixo calão. Do outro lado, correligionários de Quaquá o defendiam com aplausos.

Com mais insultos, o prefeito atacou um homem que disse que o secretário de saúde de Maricá é do PMDB.

Quaquá respondeu:

“Olha só, com essas ‘bichinhas’ falando não dá para falar.”

O prefeito saiu vaiado do púlpito e, em defesa de seu colega de partido, o presidente da Casa, protestou, com socos na mesa.

Assista ao vídeo:

#Dilma Rousseff #Reforma política