Traficantes inovam a cada dia os meios de transportar drogas, e desta vez, nem os correios escaparam.

O que era para ser uma simples encomenda vira caso de polícia em Niterói, Região Metropolitana do Rio de Janeiro. Um pacote com cerca de mil balas de ecstasy foi apreendido nesta quarta-feira pela PF-RJ.

Os comprimidos de ecstasy foram enviados de São Paulo para Niterói-RJ através dos correios, e ao perceberem que no pacote havia drogas, através de um aparelho de raios-X, funcionários do centro de distribuição dos correios, na região de Acaraí, chamaram a polícia.

A partir de então, os policiais começaram a acompanhar a ação, foi quando 2 jovens um 19 e outro de 29 anos, adentraram a agência com intuito de retirar a encomenda, os policiais então deram voz de prisão aos meliantes. Eles tentaram fugir, porém não obtiveram êxito. 

Os dois traficantes foram encaminhados para o sistema prisional do Estado, onde aguardarão o julgamento em caráter fechado por tráfego de drogas e poderão pegar até 15 anos de prisão.

Publicidade
Publicidade

A droga foi apreendida na delegacia da Polícia Federal, e serão usadas como prova no tribunal, contra os foras da lei.

#Carnaval

Com a aproximação do carnaval, programado para este final de semana, a procura por droga como o ecstasy, cocaína, lança perfume, maconha e outros aumenta consideravelmente, principalmente por jovens, que buscam diversão nas drogas, e nem sempre se dão bem.

 Segundo a Polícia Federal do Rio de Janeiro, a apreensão de drogas quase que triplica em época de Carnaval, e o número de traficantes presos também.

A dica que fica para os foliões que queiram aproveitar o carnaval 2016, é que não usem drogas, e se beberem, que bebam com moderação. Os casos de overdoses, devido à alta concentração de álcool e drogas no organismo, lotam hospitais e pronto atendimentos.

A diversão saudável isenta de entorpecentes é a maneira ideal de aproveitar a folia de carnaval sem prejudicar o corpo e a alma, então se você vai pular no carnaval, que pule de alegria e não use drogas.

Publicidade

#Crime #Sistema prisional brasileiro