Não será dessa vez que o Estado conseguirá cumprir com suas obrigações e pagar na totalidade a folha de pagamento dos servidores estaduais. A "bola da vez" são os aposentados, que vão receber apenas no próximo mês.

Na mesma situação dos aposentados encontram-se os pensionistas do #Governo estadual. Quaisquer servidores inativos que recebam acima de R$ 2 mil só deverão receber seus proventos no mês de maio.

Segundo o próprio governo do Estado do Rio de Janeiro, a previsão de pagamento dos aposentados e pensionistas está prevista para a data de 12 de maio.

O Movimento Unificado dos Servidores Públicos Estaduais (Muspe) já declarou que qualquer tentativa de pagar "parte dos servidores estaduais" em detrimento de outros tem apenas a intenção de enfraquecer a mobilização e a unidade dos servidores.

Publicidade
Publicidade

O governo do Estado afirmou que todos os servidores estaduais da ativa, independente do órgão a que pertençam, irão receber seus salários até esta quinta-feira (14).

Os servidores estaduais aposentados e pensionistas receberão uma reposição inflacionária na remuneração que está prevista para o próximo mês, uma taxa pouco superior a 1%, porém os servidores lembram que os juros praticados por instituições bancárias e multas por atraso no pagamento de contas excedem muito esse percentual.

O governo Estadual conta com a arrecadação diária, uma espécie de 'cata-cata' para conseguir mês após mês cumprir seu compromisso mínimo de pagamento do salário dos seus funcionários. Dessa vez, houve dinheiro em caixa para quitar os salários dentro do mês com os funcionários da ativa.

Entretanto, os servidores estaduais estão passando por graves problemas financeiros, todos os meses eles não sabem quando estarão recebendo os seus salários.

Publicidade

Convivem há anos sem reajustes que consigam cobrir a inflação, acumulam perdas salariais e agora se veem cerceados do direito a receber suas remunerações em dia.

Recentemente, bombeiros se deslocaram a pé de suas residências até os quartéis alegando a falta de recursos para o pagamento das passagens. A solução para esse impasse não parece estar próxima de chegar. #Finança #Crise econômica