Uma adolescente de 16 anos que teria sofrido um estupro coletivo no morro do Barão, em Jacarepaguá no Rio de Janeiro, prestou depoimento na Delegacia de Repressão a Crimes de Informática durante a manhã desta quinta-feira (26). Cerca de 30 homens teriam participado do abuso e o vídeo foi postado na internet, a polícia investiga a informação. Ela foi encontrada por um agente comunitário que a levou para sua residência.

A vítima passou por atendimento médico em um #Hospital público. Exames foram realizados e ela recebeu coquetéis de medicamentos que protegem contra doenças sexualmente transmissíveis. A avó da garota confirmou que assistiu ao vídeo e ficou chocada, segundo ela, a adolescente estava totalmente inconsciente.

Publicidade
Publicidade

Na gravação que foi excluída das redes sociais, é notável que a menina estava desacordada, ferida e nua. É possível ouvir risadas e deboches dos homens envolvidos.

Fotos da parte íntima da adolescente, apresentando ferimentos também foram postadas no Twitter. O vídeo foi gravado na noite do último sábado, segundo a polícia. Durante entrevista, a avó relatou que a jovem tem um filho de três anos e que costuma frequentar comunidades desde os treze anos de idade. De acordo com a avó a neta faz uso de drogas a quatro anos.

O caso está sendo investigado pela Delegacia de Repressão aos crimes de Informática do Rio, três homens suspeitos de participarem do estupro coletivo já foram identificados. Dois seriam moradores da zona oeste da cidade e o terceiro seria o responsável pela postagem do vídeo.

Publicidade

Reações ao vídeo

Tanto o vídeo quanto as fotos, causaram um grande ato de revolta nas redes sociais. Internautas se disseram revoltados e prestavam solidariedade a adolescente. Houve manifestação, replicando as postagens para que os envolvidos fossem identificados para que sejam punidos. No facebook mais de 35 mil usuários faziam comentários sobre o #Crime. A Comissão de Defesa dos Direitos Humanos da Câmara Municipal do Rio ressaltou que deve haver rapidez no apuramento do crime.

Quando a divulgação de imagens se trata de um crime, a conduta se torna ainda mais grave, de acordo com o MP. É configurado crime previsto no Código Penal Brasileiro. #Casos de polícia