O professor Amir Attaran, da Universidade de Ottawa, nos Estados Unidos, publicou nessa semana na “Harvard Public Health Review” um artigo em que sugere que os Jogos Olímpicos, que estão marcados para acontecer a partir do dia 5 de agosto, sejam adiados ou mudados do Rio de Janeiro. Ele sustenta sua afirmação por cinco motivos envolvendo o Zika vírus.

As cinco argumentações do professor da Universidade de Ottawa são:

- O Rio de Janeiro foi mais afetado pelo Zika vírus do que se imaginava, então as ferramentas de prevenção anteriores estão obsoletas.

- Ele argumenta que o Zika vírus já foi descoberto há mais de 70 anos, porém, o gene do vírus que está atacando no Rio de Janeiro é completamente nova, o que o deixa mais perigoso.

Publicidade
Publicidade

- O professor afirma que o Zika vírus vai se espalhar de forma global devido a quantidade de estrangeiros de todos os cantos do mundo que virão ao Brasil e poderão levar para seus países resquícios do vírus.

- Com a velocidade de propagação que ele afirma que ocorrerá se os jogos acontecerem, e a quantidade de pessoas se contaminarem e espalharem para o globo terrestre, as tecnologias que estão sendo inventadas para combater não serão rápidas o suficiente para evitar um problema mundial.

- Por fim, ele afirma que continuar com os jogos representa ir contra ao que o Comitê Olímpico fala. “Os Jogos Olímpicos procura criar responsabilidade social e respeito pelos princípios éticos fundamentais universais”.

Em resposta ao artigo publicado pela “Harvard Public Health Review”, o diretor médico do COI, Richard Budgett, falou à emissora BBC que o Comitê Olímpico Internacional irá continuar monitorando a situação do Zika vírus, e ainda sustentou sua tese de manter os Jogos no Rio de Janeiro afirmando que a Organização Mundial de Saúde (OMS) sugere que não deve haver restrições de viagens.

Publicidade

O COI também enviou uma nota oficial afirmando que existe toda uma preparação para evitar água parada, e que o evento será realizado em meses de não proliferação do mosquito. #Rio2016