De um lado, o governo brasileiro, que tem fraquejado na economia e teme que em pleno Rio de Janeiro, as tão aguardadas primeiras Olimpíadas do continente Sul-Americano não seja bem sucedida, de outro a Organização Mundial da Saúde - OMS, que tem feito campanha para que grávidas não venham ao Brasil e teme que o zika vírus se espalhe pelo mundo inteiro.

O fraco desempenho da economia brasileira, em especial a receita do governo estadual do Rio de Janeiro, estão apreensivos com o sucesso ou não, do maior evento olímpico do mundo, e já iniciaram a contagem regressiva para a cerimônia de inauguração dos jogos.

Entretanto, mesmo com todo o marketing olímpico, obras a todo o vapor, vários setores controlados pelos poderes estaduais e municipais do Rio de Janeiro estão comprometidos, com destaque especial para a saúde.

Publicidade
Publicidade

Entre os especialistas, há o consenso de que o zika vírus teve origem no continente africano, veio para o Brasil durante a Copa do Mundo de 2014, e iniciou sua proliferação pelo mundo. O maior temor da OMS com relação à nova doença é justamente a falta de informações concretas sobre a mesma.

Para o novo ministro da Saúde, nomeado por Michel Temer, há "excesso de zelo" no trato da OMS quando o assunto é o zika vírus. Segundo o ministro "quem quiser vir com mais cuidado, venha".

A OMS chegou a recomendar que as delegações boicotassem o evento das Olimpíadas, pelos mesmos motivos: dengue e zika vírus. Como não houve nenhum apoio nesse sentido e todos confirmaram a sua presença durante a disputa dos jogos, a OMS agora apela aos turistas, em especial às gestantes, para que não venham ao Brasil.

Publicidade

As Administrações Públicas, Federal e Estadual têm sofrido com a crise econômica agravada pela crise política. O Rio de Janeiro terá que gerenciar várias frentes durante e após as Olimpíadas. Por diversas vezes, houve incertezas se o Estado conseguiria honrar o pagamento da folha salarial de seus servidores.

Recentemente, o Secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame, afirmou que desconhece o efetivo e o tamanho do suporte que o Governo Federal irá disponibilizar da Força Nacional, para integrarem a equipe de proteção dos eventos durante os jogos Olímpicos. #Rio2016