Em 2014, um jovem foi achado amarrado em um poste, no Flamengo, Zona Sul do Rio de Janeiro. Ele foi pego por alguns moradores roubando uma residência, e então o grupo resolveu fazer #Justiça com as próprias mãos, bateram e amarraram o jovem em um poste, completamente nu.

Um dos rapazes que supostamente fazia parte do grupo de justiceiros, Leonardo Bollinger Scherer, de 23 anos, levou dois tiros no abdômen quando saia de uma balada, em uma boate localizado no Arpoador, que também fica na Zona Sul do Rio.

O rapaz foi levado as pressas para o hospital Municipal Miguel Couto, onde passou por uma cirurgia de urgência e seu quadro clínico é estável, segundo boletim médico divulgado nesta segunda feira (3).

Publicidade
Publicidade

A delegada Patrícia de Paiva Aguiar, da 13ª Delegacia de Polícia de Ipanema, investiga o caso e abriu um procedimento policial para averiguar as circunstâncias do #Crime e procurar pelo autor dos disparos de arma de fogo contra a vítima.

O rapaz baleado é acusado pela Polícia de ser um dos integrantes do grupo que prenderam um jovem no poste em 2014 e responde por formação de quadrilha, cárcere privado e lesão corporal. Segundo advogado de Leonardo Bollinger Scherer, ele não participou do crime.

Leonardo Bollinger Scherer já havia sido acusado de participar de um grupo de "justiceiros" que tinha a intensão de atacar bandidos que tentavam roubar as residências do Bairro do Flamengo, Zona Sul do Rio. Ele já teve passagem pela Polícia por lesão corporal, ameaça e dano.

A Polícia Civil da 13ª Delegacia de Ipanema não descarta que o motivo do crime tenha sido por vingança, já que Leonardo Bollinger Scherer já cometeu vários crimes por justiça própria.

Publicidade

Outros jovens, amigos de Scherer, também são acusados de participar do grupo que agrediu o jovem em 2014, são eles: João Victor Andrade de Morais, Yuri Nogueira Maimone e Raphael Silva Fernandes dos Santos. Todos eles respondem por formação de quadrilha, cárcere privado e lesão corporal.

O caso esta na justiça e os jovens poderão ser presos a qualquer momento, assim que a sentença for dada pelo juiz. #Casos de polícia