A semana foi agitada em Brasília, quando na última quinta-feira (12) Dilma Rousseff foi afastada do cargo de Presidente da República e seu vice, Michel Temer, assumiu a posição de forma interina. A suspensão de Dilma vale por até 180 dias, prazo máximo para o senado decidir definitivamente se ocorrerá ou não o impeachment, ou seja, sua destituição da presidência do Brasil.

Ao assumir o governo, Michel Temer realizou as primeiras mudanças ainda no seu primeiro dia de mandato. A principal delas foi "enxugar" os ministérios - alguns foram cancelados e outros unificados. Além disso, os ministros foram trocados e novos políticos assumem os cargos de responsabilidade dos ministérios.

Publicidade
Publicidade

Com essas mudanças no panorama político do país, muitos se preocuparam se a renovação e alterações de cargos em Brasília bem como as novas ordens afetariam o andamento dos preparativos e a execução das Olimpíadas Rio 2016. Ainda nesta quinta, Eduardo Paes, prefeito da cidade do Rio de Janeiro, afirmou que essas mudanças não afetarão os Jogos Olímpicos no Brasil. Segundo ele, o presidente Michel Temer teria reafirmado por chamada telefônica o seu compromisso com o maior evento esportivo do mundo, que será realizado no Rio em agosto.

Carlos Arthur Nuzman, presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), também revelou que essas mudanças não devem causar problemas a execução das Olimpíadas. Embora considere um momento complicado, o governador Luiz Fernando Pezão, do Rio de Janeiro, também disse que irá manter relações com o governo federal para criar projetos que ajudem o estado a superar a crise econômica pela qual passa todo o Brasil.

Publicidade

Quem também deu entrevista à imprensa e confirmou o bom andamento das Olimpíadas Rio 2016 foi Leonardo Picciani, novo ministro do Esporte nomeado pelo presidente interino Michel Temer e representado pelo PMDB do Rio de Janeiro. De acordo com Picciani, os Jogos Olímpicos estão seguindo o cronograma sem atrasos e o evento deve ser um grande sucesso capaz melhorar a imagem do Brasil nos países estrangeiros, além de deixar marcas positivas na população. #Rio2016 #Reforma política #Crise no Brasil