"Se os Jogos Olímpicos representam a união entre os povos, nada mais justo do que uma transexual conduzindo a tocha", afirmou Bianka Lins. Mulher transexual, Bianka é professora, tem 26 anos e dá aulas para turmas do Ensino Médio na pequena cidade de Felixlândia, que conta com pouco mais de 14 mil habitantes e fica localizada no estado de Minas Gerais. Ela participou do revezamento da tocha na cidade de Curvelo, que fica a cerca de 50km da cidade em que habita. A tocha já havia feito passagens em Boicaiúva, Couto de Magalhães e Diamantina.

Bianka completou suas falas afirmando que a educação é a ferramenta mais necessária para promover a mudança do mundo, acima de qualquer coisa.

Publicidade
Publicidade

Durante o trajeto, a jovem professora esteve acompanhada de sua amiga de infância, Rayra, que sempre foi uma pessoa muito importante em sua vida e lhe apoiou completamente durante seu processo de transição.

A passagem da tocha olímpica por mais de 300 cidades representa a inclusão e tolerância, como afirmou o site oficial da Rio 2016.

RIO 2016

Enquanto a tocha olímpica roda o país, os preparativos para os Jogos Olímpicos estão a todo vapor no Rio de Janeiro. Muitos profissionais que trabalham em áreas ligadas a atendimento e comunicação estão buscando formas de aperfeiçoar sua comunicação com falantes de outros idiomas, afinal, a Rio 2016 receberá milhares de turistas do mundo inteiro. O Google Tradutor lançou uma iniciativa de prestar orientação para taxistas, cobradores de ônibus, entre outras profissões que envolvem diálogo com o cliente.

Publicidade

Milhares de estrangeiros também estão se preparando para vir ao Brasil. Muitos estão aprendendo um pouco do idioma português, além de se informarem à respeito das questões relacionadas a hospedagem, pontos turísticos, transporte e saúde pública. A Organização Mundial da Saúde também fez um alerta, recomendando que em relações sexuais, se utilize preservativos, para evitar contágio do zika vírus. A recomendação, para casais, reitera que seria essencial seguir fazendo sexo seguro por até seis semanas após deixarem o país. #Rio2016