Nesta sexta-feira, (20), na sede do Conselho Regional de Medicina, (Cremerj), localizada na Zona Sul do Rio de Janeiro, o presidente e o vice da entidade deram entrevista acerca da saúde pública do Rio de Janeiro, com ênfase, principalmente, no importante evento que estar para acontecer no dia 5 de agosto do corrente ano, os Jogos Olímpicos da cidade do Rio de Janeiro. De acordo com Pablo Vázquez, (presidente da Cremerj), e Nelson Nahon, (vice), a situação é preocupante.

Os representantes da entidade alertaram para os problemas que a saúde pública do Rio de Janeiro vem enfrentando, com pouco efetivo profissional na área, fechamento de hospitais no interior do estado, fato que ocasiona ainda mais demanda para a capital, além, também, dos poucos equipamentos de saúde para atender muita gente que chega aos hospitais necessitando de atendimento.

Publicidade
Publicidade

Segundo a Cremerj, vai ficar difícil de entender como será feito o atendimento a população que precisa de atendimento médico na cidade do Rio de Janeiro durante a execução dos Jogos Olímpicos, que começam a menos de 80 dias, pois, de acordo com a entidade, serão dezenas de milhares de pessoas que estarão vindo para prestigiar o grande evento e, além deles, há também as delegações de vários países do mundo que estarão trazendo os seus atletas para disputarem os Jogos.

Ainda com relação ao corpo profissional do pessoal que compõe a saúde pública do estado, um dos integrantes da Câmara Técnica de Segurança do Paciente, Alfredo Guarischi, destacou: “Precisamos saber se esses profissionais são qualificados e capacitados para o trabalho", se referindo aos quase mil profissionais da saúde que serão contratados por 60 dias para atuarem nos Jogos, além de mais 140 ambulâncias também contratadas.

Publicidade

"Esse pessoal precisa ter treinamento adequado. As soluções para essas preocupações existem, mas requerem fiscalização (...)”, frisou.

A Cremerj cobra, ainda, que os três poderes (governo municipal, estadual e federal) juntem-se ainda mais para defender a saúde pública do Rio de Janeiro, que vai precisar de uma grande atenção nesse evento. #Rio2016