Na última terça-feira (17), o Comitê Olímpico Internacional (COI) anunciou que fez uma revisão em 454 amostras antidoping de atletas que competiram nos Jogos Olímpicos de 2008, realizados na China, e constatou que pelo menos 31 destes competidores apresentaram resultados suspeitos para o uso de substâncias ilegais.

O velocista Usain Bolt classificou de “notícia realmente ruim” para o esporte o fato de ainda existirem atletas que tentam trapacear nas competições, valendo-se de substâncias ilegais que melhoram seu rendimento. Bolt, no entanto, acredita que o possível ato de punir os 31 atletas suspeitos de doping em 2008 na China, impedindo-os de competir nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, seja uma atitude exemplar.

Publicidade
Publicidade

Usain Bolt declarou que a Agência Mundial Antidoping (AMA) e outros órgãos desportivos têm feito um trabalho muito bom na tentativa de “limpar” o esporte mundial, impedindo que ocorram comportamentos desleais por parte de atletas: "Estão fazendo um trabalho muito bom em limpar o esporte. Eles provaram que qualquer um que tenha trapaceado, será pego".

Competições justas

Bolt acredita que a atual repressão ao doping pode ser bem sucedida: "Felizmente, nós podemos caminhar no sentido de tornar o esporte melhor, e nos próximos anos, não termos mais esses problemas", disse o velocista, acrescentando ainda que o cenário de melhorias à frente é algo gradativo. "Eu acho que é um processo, e eu acho que ao longo do tempo vai ficar melhor, porque eles (órgãos que cuidam do antidoping) estão fazendo um bom trabalho".

Publicidade

Expectativa para o Rio de Janeiro

Usain Bolt tem boas expectativas em relação às Olimpíadas do Rio de Janeiro. O atleta, seis vezes campeão mundial, afirma estar se sentindo muito bem fisicamente, e ainda não desistiu de quebrar o recorde mundial na competição de corrida dos 200 metros rasos, estabelecida por ele mesmo em 2009.

Para quebrar o próprio recorde, Bolt precisa correr os 200 metros de pista abaixo de 19,19 segundos, e está esperançoso: “Definitivamente, para mim, tudo é possível”, declarou. #Rio2016