Foram detidos no município de Campos dos Goytacase, no interior do Rio de Janeiro, na sede do Clube de Regatas Rio Branco, dois homens e duas mulheres, todos funcionários de um curso de informática de nome "Pronae", sob a acusação de estarem aplicando o golpe do "falso emprego".

A polícia foi acionada por meio de denuncia anônima que informou que no local estariam cobrando R$ 20,00 de menores carentes por um curso com garantia de emprego. 

Ação policial

Foram designados ao local policiais do Setores Alfa e Serviço Reservado (P2). Chegando lá os funcionários do curso não apresentaram nenhum documento que comprovasse as vagas e que desse garantia de emprego aos jovens.

Publicidade
Publicidade

Os oficiais então detiveram todos e os encaminharam ao 134º DP/Centro.

Na delegacia, os funcionários alegaram que a empresa para qual prestam serviço teria sido contratada por uma fundação de nome Gentileza Gera Gentileza para recrutar menores interessados nas vagas de emprego e no curso de qualificação profissional.

Como funciona o golpe

Geralmente, segundo a polícia, essas empresas visitam os menores em escolas com a promessa de ajudá-los com o primeiro emprego. Os alunos manifestam o interesse preenchendo um cadastro com nome e endereço. A empresa então encaminha uma carta à residência do menor informando que o mesmo foi classificado para uma vaga de emprego.

Chegando ao local do curso, o aluno recebe a informação de que para ser selecionado é preciso primeiramente fazer pagar pela qualificação para a vaga.

Publicidade

Como a carta pede que o menor vá com os pais, os estelionatários trabalham para convencer toda a família de que se trata de uma chance real de trabalho.

A promessa de emprego sem a garantia da vaga é considerado "golpe", #Crime de estelionato e propaganda enganosa. A pessoa lesada poderá recorrer à Justiça por danos materiais e morais, provenientes do investimento do tempo e valores em curso.

A empresa que emitiu a carta atua em todo Brasil sob o nome de "PRONAE - Programa Nacional de Apoio Estudantil". É comum grupos que aplicam esses golpes utilizarem nome de programas do governo como "Jovem Aprendiz" para atrair crianças e adolescentes.  #Educação