Um protesto em represália a algumas remoções na favela Vila Joaniza, na Ilha do Governador, Rio de Janeiro, interditou os dois sentidos da Estrada do Galeão, localizado na zona norte da cidade. Os manifestantes colocaram um ônibus em chamas por volta das 14h30 desta terça-feira, (28). A ação de retirada de barricadas implantadas por criminosos é uma realização em conjunto da PM com a Prefeitura do Rio.

Próximo ao local está o Complexo de Favelas da Maré, controlado por quadrilhas ligadas ao tráfico de drogas. Por volta das 15h, a pista sentido Linha Vermelha, na altura da Avenida 20 de Janeiro, foi parcialmente liberada, segundo o Centro de Operações da Prefeitura do Rio.

Publicidade
Publicidade

Segundo reportagem do "G1", pessoas armadas com fuzis foram as responsáveis pelo vandalismo. O atendimento à ocorrência foi feito pelas equipes da Polícia Militar, CET-Rio, Guarda Municipal e dos Bombeiros. Às 15h45, a Estrada do Galeão foi totalmente liberada.

CRISE ÀS VÉSPERAS DAS OLIMPÍADAS

No último dia 17, o Governo do Estado do Rio declarou oficialmente estado de calamidade pública. A medida foi tomada pelo governador interino, Francisco Dornelles, que culpou a crise econômica como o principal fator para que o Rio não consiga “honrar seus compromissos”, conforme nota divulgada na mesma data. No mesmo dia, o secretário de Fazenda fluminense, Julio Bueno, divulgou a previsão de déficit do estado para este ano: R$ 19 milhões.

Na segunda-feira (27), um grupo formado por policiais militares, civis e bombeiros do estado do Rio de Janeiro protestaram em um dos saguões do Aeroporto Internacional Tom Jobim.

Publicidade

Eles receberam os recém-chegados ao estado com um cartaz onde era possível ler a frase “Welcome to Hell”, que, em inglês, significa “Bem-vindos ao Inferno”. Segundo uma fonte não identificada pelo jornal "O Globo", a intenção do manifesto era mostrar ao restante do mundo o descaso com o qual é tratada a segurança pública no país. Jornais dos EUA, Rússia, Austrália, Índia e outros países publicaram imagens do ato, destacando as inúmeras dificuldades enfrentadas pelos policiais em seu dia a dia. #Manifestação #Crime #Rio2016