Suspeito de abusar sexualmente de um menino de apenas 4 anos de idade, Luciano Cunha Barreto, de 41 anos, foi preso nesta segunda-feira (6). Segundo os relatos, ele estaria vivendo com a mãe da vítima quando praticou o #Crime.

A violência ocorreu em São Pedro da Aldeia, região dos Lagos, no Rio de Janeiro. O homem praticou o crime no domingo (5) na casa da vítima, no bairro São João, onde vivia há três meses.

A Polícia Civil informou que o criminoso morava com a mãe da vítima e o estupro ocorreu logo depois que a mulher tinha saído para ir trabalhar. Neste momento, ela deixou o homem cuidando da criança.

Depois que o menino começou a reclamar de dores, a tia resolveu verificar o seu corpo para saber o que aconteceu.

Publicidade
Publicidade

Só então, a suspeita do estupro veio à tona. De imediato, ela avisou a mãe da criança, que acionou a polícia.

A mãe da vítima foi até a delegacia da cidade para prestar queixa contra o seu companheiro. Depois disso, teve que levar o menor para fazer exames no IML de Araruama, onde a confirmação de que ele teria sofrido o abuso sexual logo ocorreu.

Na delegacia, o menino de 4 anos contou como aconteceu o crime. Logo, o suspeito foi chamado na DPO de São Pedro, onde foi preso em flagrante e consequentemente encaminhado para a 126ª DP de Cabo Frio.

Depois de confessar, o homem deve responder por crime de estupro de vulnerável, que é aquele cometido contra quem não pode se defender. A pena para esse tipo de crime pode variar entre 8 ou 15 anos de prisão.

(Art. 217-A. Ter conjunção carnal ou praticar outro ato libidinoso com menor de 14 (catorze) anos: Pena - reclusão, de 8 (oito) a 15 (quinze) anos. § 1o Incorre na mesma pena quem pratica as ações descritas no caput com alguém que, por enfermidade ou deficiência mental, não tem o necessário discernimento para a prática do ato, ou que, por qualquer outra causa, não pode oferecer resistência).

Agora, o criminoso vai ficar preso até o seu julgamento no complexo Bangu, no Rio de Janeiro, quando terá sua pena  determinada.

Publicidade

#Justiça #Casos de polícia