Detentos do Complexo Penitenciário de Bangu, Zona Oeste do Rio de Janeiro, festejaram a invasão do Hospital Souza Aguiar, no Centro do Rio, neste domingo (19), que ocasionou na fuga de Nicolas Fabre Pereira de Jesus, o “Fat Family”, suspeito de comandar o tráfico de drogas no Morro Santo Amaro, Zona Sul do Rio. O juiz da Vara de Execuções Penais (VEP), Eduardo Oberg, ordenou que fosse realizado um procedimento investigatório visando apurar a comemoração.  

O juiz revelou que a festa foi vista pelos agentes dos presídios de Bangu 3 e Bangu 7. Oberg disse também que, devido a isso, ele determinou que fosse aberto um inquérito na divisão de Homicídios e na Dcod [Delegacia de Combate às Drogas] para investigar este assunto, ou seja, apurar se há envolvimento de Nicolas, conhecido como Zaca e um dos integrantes de Bangu 7, no resgate do Fat Family.

Publicidade
Publicidade

A informação foi divulgada em primeira mão pelo Jornal o Dia, e, nesta terça-feira, foi confirmada pelo site G1.

Segundo Oberg, uma conversa detectada através de áudio entre prisioneiros e o tio de “Fat Family”, Edson Pereira Firmino de Jesus, vulgo Zaca, que está detido, mostra a atitude dos criminosos após a confirmação do sucesso do resgate, e no áudio também há um trecho dizendo que só faltaria supostamente o tio de “Fat Family”.  De acordo com o juiz, a organização criminosa está sendo mantida em cárcere nos presídios de Bangu 3 e Bangu 7. Segundo o juiz, os presos estão divididos da seguinte forma: em uma determinada área estão os chefões da facção e em outra a comissão, considerada os diretores da quadrilha.

Segundo ele, há mais ou menos dez dias, foi realizada uma apreensão em Bangu 7 de mais de 30 aparelhos celulares, um roteador profissional com um peso de oito quilos e, maconha.

Publicidade

O juiz disse também que, em 15 dias, abriu mais de 15 procedimentos investigatórios em Bangu, e afirmou que cerca de 900 pessoas estão detidas em Bangu 3, e entre 90 e 100 pessoas em Bangu 7.

Segundo informações cedidas ao site G1, pela Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap), os diretores e chefes de segurança que trabalharam no plantão, no domingo, não detectaram nenhum tipo de comemoração no presídio Vicente Piragibe. #Crime #Blasting News Brasil #Investigação Criminal