Um protesto de aproximadamente 100 estudantes secundaristas do Rio de Janeiro terminou em confusão nesta quarta-feira (16), no bairro do Méier, no Rio de Janeiro. O protesto, que deveria ser pacífico, se tornou violento quando alguns estudantes começaram a usar máscaras cobrindo o rosto e fecharam uma das vias do bairro por 40 minutos. Policiais da Operação Méier Presente intervieram com agressividade. Os adolescentes afirmam que foram agredidos com bombas de gás lacrimogêneo e spray de pimenta. Já a Polícia Militar do Rio de Janeiro afirma que agiu para conter uma briga generalizada entre os próprios estudantes. Um vídeo gravado por um cinegrafista amador, entretanto, desmente a versão da entidade.

Publicidade
Publicidade

De acordo com o governo do Rio de Janeiro, os estudantes jogaram pedras e ofenderam os policiais. Oito alunos foram presos. Assista ao vídeo da confusão no final desta matéria. 

O vídeo mostra policiais apontando armas de choque para os manifestantes. Os estudantes atiram algo contra a tropa, que reage com bombas de gás lacrimogêneo ou efeito moral. Durante a correria que se segue, é possível ver um policial caído no chão. A partir daí o despreparo dos agentes de segurança se destaca. Alguns policiais entram em luta corporal com alguns adolescentes. Um agente chega a pegar um caixote e ameça jogar contra os alunos. Um outro policial é visto estrangulando um estudante, que não resiste à prisão e pede para ele parar, sem ser atendido.

O cinegrafista que está filmando a cena é ameaçado pelo mesmo policial que aplica o estrangulamento.

Publicidade

O adolescente já parece estar sufocando e sem conseguir respirar. Uma mulher tenta intervir e implora para que o policial solte o garoto. A irritação dos policiais aumenta e um deles ameaça eletrocutar o cinegrafista, que se apresenta como jornalista.

Alguns segundos depois, o vídeo mostra outro estudante sendo estrangulado. O golpe, conhecido como mata-leão, pode causar inconsciência temporária.  

A Operação Méier Presente foi criada em dezembro e conta com a participação de aproximadamente 100 policiais. O governo do estado calcula que, desde a criação da operação, o índice de roubos de rua no bairro foi reduzido em cerca de 28%. #Manifestação #Casos de polícia #Protestos no Brasil