Todo ano os brasileiros sofrem com o alto índice de contagio por dengue e atualmente pelo zika vírus também transmitido pelo Aedes Aegypti, pensando nisso o comitê organizador dos #Jogos Olímpicos 2016 apresentou nesta sexta-feira (22) no Rio de Janeiro a policlínica, um espaço para o tratamento médico de atletas na Vila Olímpica da Barra da Tijuca. A estrutura da policlínica conta com a capacidade de diagnóstico de doenças causadas pelo mosquito Aedes aegypti, como dengue e zica vírus que é a principal preocupação dos organizadores.

A clínica possuí 3,5 mil metros quadrados e começa a operar no próximo domingo (24). No domingo é o dia que as primeiras delegações começam a se acomodar e a comitê espera realizar até mil atendimentos.

Publicidade
Publicidade

Além dos quase 4 mil metros a policlínica na Vila Olímpica tem também farmácia, oito consultórios dentários, três consultórios de oftalmologia, pronto-socorro para até 60 atendimentos de uma vez, piscinas de crioterapia, e toda a estrutura necessária para exames de imagem.

Em entrevista ao UOL Esporte o diretor médico João Grangeiro afirma, “é um tema para nós, temos condição de fazer diagnóstico de zika aqui”. Temos toda a capacidade.

No último ano e começo de 2016, o Brasil registrou um aumento significativo nos casos de pessoas que foram infectadas pelo zika vírus e o alto número de infectados fez com que se tornasse tema muito comentado na mídia internacional. Além de que os quatro melhores golfistas masculinos desistiram de participar dos Jogos Olímpicos 2016 por alegarem medo do zika vírus.

Publicidade

Apesar da Agência Nacional de Saúde (ANS), emitir resolução que determina aos planos de saúde a inclusão de testes para diagnosticar o zika vírus é muito difícil detectar a doença. O diagnóstico é caro e de difícil acesso uma vez que pode ser feito via teste molecular ou sorológico.

Uma vez que os testes são caros para confirmar o diagnóstico do zika vírus, os médicos se baseiam analisando apenas os sintomas. O médico infectologista Antônio Bandeira de Salvador responsável pelos primeiros diagnósticos em Camaçari afirmou à TV Brasil que é rara a disponibilidade dos exames na rede pública.

Apesar da grande estrutura e equipamentos modernos a policlínica só irá atender os atletas, e não só os atletas hospedados na Vila Olímpica. A maioria da equipe da clínica é formada por voluntários apesar de ter corpo médico contratado. #Rio2016