Sem papas na língua, o prefeito do Rio de Janeiro Eduardo Paes fez inúmeras e pesadas críticas ao governo estadual carioca em entrevista à TV americana CNN, que foi publicada nesta segunda-feira, 4. Faltando um mês para o início dos Jogos Olímpicos de 2016 na Cidade Maravilhosa, Paes chamou de “trabalho terrível” o desempenhado pelo estado no que diz respeito à segurança pública.

As críticas de Paes se tornaram públicas no mesmo dia em que agentes da segurança, tais como policiais e bombeiros, fizeram um protesto no aeroporto Galeão. As reivindicações eram de melhores condições de trabalho, pagamentos em dia e contra as mortes de policiais assassinados no Rio.

Publicidade
Publicidade

Segundo o prefeito fluminense, o tema da segurança é o “assunto mais sério do Rio de Janeiro” e o governo está “falhando no seu trabalho”.

Paes, no entanto, não demonstrou tanta preocupação com relação à segurança nos dias que integram os Jogos Olímpicos – com data de abertura oficial marcada para o dia 5 de agosto. Segundo ele, durante as Olimpíadas, o Rio de Janeiro terá reforços assim como já ocorreu na Copa do Mundo. O político não quis focar o tema da segurança apenas com as Olimpíadas.

“Na época das disputas dos Jogos Olímpicos, nós teremos aqui no Rio de Janeiro a Marinha, o Exército, a Força Nacional. Todos eles estarão aqui conosco. Como todos sabem, a tarefa da segurança nas Olimpíadas não compete à prefeitura da cidade, e sim ao governo estadual do Rio de Janeiro. Na minha avaliação, eles fizeram um trabalho terrível na área da segurança pública”, disparou Paes.

Publicidade

Crise

A #Crise no Rio de Janeiro parece não ter fim. Preocupado com suas finanças e com o desequilíbrio fiscal, o governo decretou estado de calamidade pública no último dia 17. O governo espera o apoio de R$ 2,9 bilhões da União para o pagamento das forças de segurança, bem como do funcionalismo público, aposentados e pensionistas, que seguem sem a íntegra do salário do mês de maio. Mas não é só na área econômica que residem todos os problemas cariocas.

Um levantamento divulgado pelo Instituto de Segurança Pública (ISP) indicou que, entre janeiro e maio do corrente ano, ocorreram 48.429 roubos de rua, que incluem furtos a pedestres, roubos de celular e no transporte público. Foi o maior índice rejeitado nesse mesmo período em onze anos. Em média, os números apontam que, a cada hora, 13 roubos de rua acontecem na cidade que sediará as Olimpíadas de 2016.

“Não estou preocupado com os cidadãos do Rio de Janeiro durante as Olimpíadas. Eu estou preocupado com eles durante todos os dias.

Publicidade

Como eles ficarão depois dos Jogos. É a questão mais séria do Rio de Janeiro. O governo tem falhado totalmente na sua função de polícia e de dominar a segurança pública estadual”, falou Paes.

Ao portal G1, no entanto, Paes alegou que seguirá trabalhando em parceria com o governo estadual e que suas críticas foram sobre “procedimento” e “postura” na condução dos problemas da segurança pública. O prefeito entende que a segurança não pode ser tratada como um problema olímpico. O fato é que se a segurança pública fosse modalidade, o Rio de Janeiro não passaria nem perto do pódio. #Rio2016