Andar por Santa Teresa tornou-se uma dor de cabeça para os moradores e visitantes do tradicional bairro do Centro do Rio de Janeiro. Conhecido pelas ruas de paralelepípedo, imóveis antigos e bares balados, Santa Teresa vive uma situação caótica desde que as obras nos trilhos do bonde foram interrompidas há três meses. Conforme foi divulgado no jornal “O DIA”, a Secretaria Estadual de Transportes declarou que a previsão para que a obra seja concluída é dezembro de 2017.

Um dos pontos mais críticos é Rua Almirante Alexandrino, uma das principais de Santa Teresa. A jornalista Nayse Lopez, moradora do bairro há mais dez anos, disse que não existe um cronograma para o término das obras e que, raramente, vê um operário trabalhando.

Publicidade
Publicidade

A jornalista ainda acrescentou que os buracos não são sinalizados, algo que aumenta consideravelmente o risco de acidentes.

A falta de sinalização dos buracos provenientes da restauração dos trilhos do bondinho já trouxe problemas para alguns moradores. Um cineasta alemão de 44 anos, que vive em Santa Teresa há 17, declarou que o seu vizinho sofreu um acidente em virtude da não indicação de um buraco. O morador disse que ele sofreu fraturas múltiplas e está internado, e aproveitou para reclamar que não consegue guardar a sua moto na garagem por causa das obras.

Aqueles que decidem circular por Santa Teresa de carro sofrem com o grande número de retenções no trânsito. O taxista Waldemir Ferreira reclamou que perde bastante tempo com os engarrafamentos, pois é obrigado a ficar parado por cerca de dez minutos para esperar a passagem dos veículos que trafegam no sentido contrário.

Publicidade

Além dos moradores, os comerciantes de Santa Teresa também sentem o impacto da demora na conclusão da obra nos trilhos do bonde. Cristina Macedo, que é dona da Casa da Tapioca, disse que ainda não sabe quanto deixou de faturar, pois abriu o seu negócio há dois meses. No entanto, Cristina afirmou que o movimento de pessoas na região diminuiu consideravelmente.

Custo da obra completa passa dos R$ 150 milhões

O jornal “O DIA” também divulgou que a Secretaria de Transportes do Estado do Rio de Janeiro confirmou que as obras de restauração dos trilhos do bonde de Santa Teresa estão paralisadas. O órgão declarou que, no momento, estão sendo planejadas as próximas fases do projeto.

O valor inicial da obra é de R$ 125 milhões. Porém, em abril deste ano, foram destinados mais R$ 27 milhões para a restauração dos trilhos do bonde por meio de um termo aditivo. Informações dão conta que os funcionários da Elmo Montagens, empresa encarregada da conclusão da obra, interromperam suas atividades há três meses porque estão sem receber.

Publicidade

O bonde teve o seu funcionamento interrompido em 2011 após o descarrilamento de uma composição. O acidente deixou cinco mortos e 57 feridos. O governador do Estado do Rio de Janeiro na ocasião, Sergio Cabral Filho, declarou que o bonde voltaria a funcionar em 2015. O transporte ficou com a sua circulação suspensa até julho do ano passado, quando o primeiro trecho voltou a funcionar. #Rio2016