A situação no Rio de Janeiro só vem piorando, e com as Olimpíadas se aproximando, a preocupação está aumentando mais ainda. Isso porque, os números de assaltos tem crescido nos últimos anos, e, estima-se que, em maio deste ano, foram mais de 16 mil carros roubados.

Moradores estão desesperados vivendo em meio a conflitos entre a polícia, que tenta manter a ordem e a segurança, e criminosos, que não querem perder espaço nas favelas que estão sendo ocupadas pelas unidades de Polícia Pacificadora. No dia 4 desse mês de julho, crianças de 7 a 9 anos ficaram em meio ao fogo cruzado quando a polícia foi verificar uma denúncia onde criminosos estavam armados no Complexo do Alemão e foram recebidos a tiros. As crianças tiveram que se abaixar e tampar os ouvidos até que os tiros cessassem.

A Força Nacional está assumindo a segurança de instalações olímpica para tentar diminuir a possibilidade de crimes, entre eles estão policiais militares, civis, bombeiros e peritos, que já assumiram as operações. Eles são de vários estados do Brasil, no total de 26, com capacitação e vários treinamentos, tudo para garantir a segurança de estrangeiros e brasileiros durante as Olimpíadas. Cada um tem seu papel assumido, fechando o cerco nos principais pontos onde irão se concentrar as Olimpíadas.

Publicidade
Publicidade

A crise financeira também tem sido um dos pontos preocupantes, pois muitos servidores públicos (310 mil servidores) tiveram que ter o pagamento parcelado, o que aumenta mais ainda a preocupação com protestos , fazendo com que o estado decrete calamidade pública.

O prefeito Eduardo Paes (#PMDB) disse que a Força Nacional estará no RJ junto com o Exército e a Marinha para poder garantir a segurança durante as Olimpíadas, que não é somente uma responsabilidade da prefeitura, e sim do estado inteiro. E ainda criticou a gestão do governo do RJ, dizendo que eles fizeram um trabalho "terrível", se referindo a segurança pública. E ainda frisa que "felizmente" a segurança do município não irá depender somente do Governo Estadual. #Crime #Crise no Brasil