Cristiane de Souza Andrade foi morta nessa quinta-feira (14) com duas facadas depois de um assalto no Estácio, região central do Rio. O #Crime ocorreu próximo a prefeitura, em frente à filha da vítima, de apenas 7 anos. Com requintes de crueldade, Cristiane foi morta com 2 facadas no pescoço enquanto ia ao mercado como estava habituada a fazer. O assaltante anunciou o assalto e pediu dinheiro. Ela disse que não tinha e simplesmente ele se aproximou e efetuou os golpes com crueldade. O relato do ocorrido foi feito pela a filha da vítima, uma criança de apenas 7 anos, que ainda tentou ajudar a mãe.

"Foi dolorido ouvir isso de uma menina tão nova, viu? Ela ainda não sabe que a mãe morreu, por que não sabemos ainda como iremos dar a notícia", contou o filho, universitário e trabalhador autônomo Wallace de Souza Andrade, de 27 anos. Wallace mora perto da mãe e disse que nesse horário da abordagem, por volta das 20h30, a rua é bastante movimentada.

Publicidade
Publicidade

O jovem lamenta a morte e está indignado com a #Violência pela cidade. "Os assaltantes sabem que não tem segurança e por isso mesmo fazem isso. Minha mãe nem reagiu. Ela só disse que não tinha o dinheiro".

Cristiane ainda foi socorrida e levada ao hospital, mas não resistiu aos ferimentos. O corpo seguiu para o IML. Parentes da vítima foram ouvidos na 6ª DP (Cidade Nova), mas o caso será transferido para a Divisão de Homicídios (DH).

José Ferreira, de 48 anos, ex-marido da vítima e pai de Wallace, está muito triste com a tragédia.

Publicidade

Apesar de separados, eles tinham um bom convívio e eram amigos. "Estou muito triste. É uma situação difícil de acreditar, ela era uma pessoa boa sempre bem humorada, gostava de dançar e aproveitar a vida. Infelizmente minha ex mulher foi mais uma vítima da violência do Rio de Janeiro que vemos todos os dias nos jornais", disse.

'Estava desesperada'

Uma amiga de Cristiane esteve no hospital onde a dona de casa foi atendida e contou ter ouvido o relato da menina de 7 anos de idade que presenciou toda essa tragédia e ficou desesperada.

 "A garota me contou que, depois que viu a mãe esfaqueada, desesperou-se e correu para meio da rua e quase foi atropelada por um taxista que precisou frear bruscamente. Quando ele percebeu a situação, colocou a menina e a mãe no carro imediatamente e as levou para o hospital", disse Vivian. #Blasting News Brasil