O Brasil está no centro dos principais noticiários nacionais e internacionais, mas não é apenas por ser a sede da competição mais importante e mais antiga do mundo – as Olimpíadas – mas também por ter sofrido ameaças de ataques dos terroristas do ISIS.

Com a declaração de apoio ao ISIS feito por um grupo brasileiro, um cronograma de possíveis ações terroristas no Rio de Janeiro foi divulgado por uma especialista norte-americana em contraterrorismo, após interceptar as informações no aplicativo Telegram.

Segurança para o evento

Atualmente estão confirmados para atuar na segurança da cidade olímpica:

  • 5 mil soldados da força nacional de segurança;
  • 14,8 mil soldados do Exército;
  • 1,3 mil membros da Aeronáutica;
  • 5,9 mil oficiais da Marinha.

Também haverá segurança feita por agente privados contratados pelo COI, além de policiais militares e seus grupos especiais, plantão e colaboração da polícia civil e agentes da Polícia Federal, o que totalizará cerca de 85 mil homens fazendo a segurança do evento.

Publicidade
Publicidade

Grupos treinados exclusivamente para situações de risco, inclusive ataques biológicos e a bombas, também integram a equipe. Delegações estrangeiras, bem como presidentes de outros países devem trazer seus seguranças particulares, bem como policiais que os proteja. O presidente da França terá segurança redobrada no Brasil após os últimos ataques e ameaças dos terroristas.

Segurança também se estende a São Paulo

O estado de São Paulo também terá sua segurança redobrada durante os eventos, pois receberá dez jogos da competição. O governador Geraldo Alckmin, anunciou nessa quarta-feira, 20, que o estado fez um plano de segurança para receber os jogos dos torneios de futebol masculino e feminino, mas deixou claro para um repórter espanhol que está mais preocupado com a segurança interna da cidade do que propriamente com o #Terrorismo.

Publicidade

São Paulo receberá as delegações de Israel, Estados Unidos, França, Alemanha e outros países que têm sido foco de ataques e ameaças de terroristas não só do ISIS, mas também de outras vertentes similares, como o Hamas e a Al-Qaeda. #Rio2016 #Casos de polícia