A polícia investiga a motivação do caso que aconteceu nesta segunda-feira (29), no Rio de Janeiro, onde quatro membros de uma família foram encontrados mortos. Eles residiam na Barra daTijuca, região oeste da cidade. A vizinhança está abalada com tudo que ocorreu e tenta entender o motivo da tragédia. Eles realizaram uma vigília nesta madrugada. Um dos vizinhos contou que eles pareciam uma família normal, aparentemente sem nenhum problema.

Os policiais encontraram alguns indícios dentro do apartamento que apontam para a hipótese de assassinato seguido de suicídio. Foram encontradas a faca usada para matar a mulher, uma carta e a tela de proteção da varandinha estava cortada.

Publicidade
Publicidade

A polícia mandou a carta para análise e os peritos confirmarão se foi escrita por Nabor Coutinho.

Depressão ou frustração com a vida, ainda não se sabe a motivação do crime, mas trechos da carta apontam uma decepção com o trabalho. Ele escreveu que não queria deixar os familiares na mão e afirma não ter como manter a família e prefere acabar com tudo para que todos não sofram.

A linha de investigação dos policiais é que Nabor assassinou a mulher a golpe de faca, ainda quando ela dormia. O corpo de Lais foi encontrado na cama do casal e tinha duas lesões no pescoço. Na sequência Nabor teria atirado os dois filhos da varanda do apartamento, Arthur tinha 6 anos e Henrique 10 anos. Depois que jogou as crianças do décimo oitavo andar ele também teria se jogado. Os policiais disseram que não tem como saber ainda se as crianças estariam dormindo, sob efeito de sedação ou mortos quando foram jogados da varanda.

Publicidade

Aparentemente, eles não tinham dívidas, o condomínio e aluguel estavam pagos em dia. No mês anterior, Nabor solicitou desligamento da empresa onde trabalhava para se engajar em outro projeto. A empresa de telefonia onde prestou serviços informou que ele era uma pessoa respeitada e muito querida em sua equipe e alegou que sua saída da companhia era atingir um patamar melhor em sua carreira.

Fábio Cardoso, delegado responsável pelas investigações, contou que a motivação não parece ser financeira e sim alguns problemas na área profissional. #Crime #Investigação Criminal