A prefeitura do Rio de Janeiro já havia anunciado os dias 5, 18 e 22 como feriados municipais por conta da Rio 2016. Dia 5 é a cerimônia de abertura das Olímpiadas no Estádio do Maracanã e dia 22, a festa de encerramento. Nessa terça-feira, 2, Paes anunciou que nessa quinta-feira, 4, o carioca também terá um novo #Feriado por conta da passagem da Tocha Olímpica pela cidade.

A maior parte das escolas públicas e privadas da cidade adiaram o recesso escolar para agosto, assim, os alunos estudaram normalmente durante o mês de julho para descansarem até o dia 22 de agosto.

Comerciantes reclamam do excesso de feriados

Embora os cariocas tenham gostado dos feriados municipais, os comerciantes e empresários da cidade reclamaram do excesso de ‘descanso’ para os funcionários.

Publicidade
Publicidade

Tudo isso porque, ou as empresas ficarão sem trabalhar nesses dias ou terão de arcar com o pagamento de 100% sobre a diária dos funcionários, o que em época de crise, acaba sendo inviável para a maior parte dos empreendimentos locais.

O calendário oficial conta com 10 feriados nacionais, 6 municipais e 3 estaduais. Mesmo para aqueles que decidem abrir os comércios nesses dias, a procura é muito baixa e acaba não compensando o investimento na equipe.

Para Aldo Gonçalves, que é presidente do Clube dos Diretores Lojistas e do Sindilojas do Rio de Janeiro, a decisão de incluir mais feriados no calendário oficial é preocupante, uma vez que o Rio vive sua pior crise econômica de todos os tempos, e tais decisões podem agravar a situação.

Além disso, Aldo afirma que durante a Copa do Mundo de 2014, aconteceu o mesmo problema sob a alegação de que os feriados eram por motivo de segurança.

Publicidade

Segundo ele, falta planejamento para evitar que a economia local seja prejudicada durante um evento de renome como as Olímpiadas, que poderia trazer resultados positivos para o comércio carioca.

Em resposta, a prefeitura alegou que os comércios podem funcionar normalmente durante os feriados, fazendo com que as datas tenham validade oficial para órgãos públicos, entretanto, o CDL alega que com o feriado, os munícipes não procuram os grandes centros para fazer compras, e que a maior parte das lojas da cidade estão nas ruas e não em shoppings, o que gera grande prejuízo.

O Centro de Estudos do Clube de Diretores Lojistas do Rio informou que cada dia em que os comércios ficam parados, existe um prejuízo médio de R$ 381 milhões para a economia, o que em época de crise é alarmante e prejudicial a curto e médio prazo. #Olimpíadas #Eduardo Paes