Copacabana, Zona Sul do Rio de Janeiro, passa por um cenário crítico pelo tráfico de drogas. Turistas estrangeiros estão sendo abordados de forma totalmente indiscreta por agentes do tráfico, oferecendo droga em pleno calçadão. Eles são se inibem nem com toda movimentação das Olimpíadas, nem com o forte esquema de segurança de Militares e agentes da Força Nacional, e oferecem e vendem livremente todo tipo de droga e com preços variados.

O produtor Marcelo Bruzzi, da GloboNews, equipado com uma câmera escondida, vestido com uma camisa de um time de basquete americano, de short e um chinelo, foi logo confundido com um turista estrangeiro, flagrando a ação de traficantes que logo o abordaram oferecendo drogas.

Publicidade
Publicidade

Em apenas 20 minutos o jornalista recebe a primeira abordagem nas proximidades da arena de Vôlei e, diante da presença das forças de segurança, um outro homem não se intimida e ainda afirma ter a melhor cocaína do Rio, tentando se comunicar em inglês e em espanhol. Como se não bastasse, faz deboche da polícia, tira um tubo branco de plástico com um pó branco, oferece para que ele experimente, e fala que ele não se preocupe com a polícia pois está no “Rio de Janeiro”

Acompanhe agora a última conversa do jornalista com um vendedor de bolsas, a 400 metros da megaloja da Olimpíada, que lhe oferece ajuda achando que se tratava de um estrangeiro.

Traficante: Posso ajudar? Vocês são de onde?

Globo News: Bélgica.

Traficante: Quer maconha? 10 gramas.

Globo News: Você tem aqui?

Traficante: 10 minutos.

Publicidade

Globo News: Vamos dar uma volta. Depois a gente vem aqui.

Traficante: Cocaína eu tenho agora.

Globo News: Tem aí?

Traficante: Agora. 10 minutos não. Agora eu tenho 1 grama.

Depois de 40 minutos, o traficante volta com uma estratégia diferente para ver se tem sucesso na venda da droga, dizendo estar indo embora e que fará um melhor preço, no valor de R$200,00. O jornalista diz estar sem dinheiro e o traficante fala que se trata de uma boa mercadoria vinda da Colômbia e que vende para estrangeiros por R$ 300,00 a R$ 400,00, e que fez preço de brasileiro a ele. Então o jornalista da GloboNews pergunta se ele tem maconha e o traficante diz que só cocaína. O jornalista agradece e pergunta se ele estaria amanhã no mesmo lugar. Chateado, o traficante responde que estará mas se não fez negócio no dia que não fará no dia seguinte.

Um estudante de São Paulo afirmou que foi confundido com um turista estrangeiro, pelas características físicas (branco, olhos azuis, cabelos claros), e foi abordado cinco vezes por diferentes homens oferecendo drogas.

Publicidade

Disse que um vendedor de guarda-chuvas o abordou e ofereceu cocaína. O estudante, que está de férias e resolveu viajar para o Rio de Janeiro para aproveitar e acompanhar as Olimpíadas, ficou impressionando com a forma indiscreta e destemida como agem os traficantes.

A secretaria de Estado e Segurança não quis se pronunciar sobre o caso. A Policia Militar afirmou que o policiamento é feito com rondas de quadriciclos, motos e viaturas e que ainda possui patrulhamento a pé. A corporação solicitou a colaboração da população através de denúncias que podem ser feitas através do Disque Denúncia 2253-1177 ou do telefone 190. #Crime #Investigação Criminal #Casos de polícia