Que #preconceito racial é #Crime muitas pessoas sabem, menos a mulher do vídeo abaixo, que se acha melhor do que os outros e no direito de sair por aí destilando o seu preconceito a quem cruza o seu caminho. Pessoas que se acham melhor por terem uma condição financeira melhor ou mesmo porque nasceram com uma cor considerada 'branca'.

O que seria um programa de lazer, relaxamento e divertimento, terminou de forma desagradável para a agente de viagens Sulamita Mermier, que esperava curtir bons momentos na praia da Barra da Tijuca, região nobre do Rio de Janeiro, e acabou sendo vítima de preconceito racial.

Sulamita conta que estava na Praia da Reserva quando uma mulher, que estava a poucos metros de distância dela, começou a agressão verbal direcionada e armou a maior confusão. 

Assim que a agente de viagens percebeu que os comentários racistas eram direcionados à sua pessoa, ela pegou o celular e gravou um vídeo com o comportamento preconceituoso da mulher, que se exaltou ainda mais ao ser filmada.

Publicidade
Publicidade

Veja no vídeo como a mulher ofende a outra. Ela diz que não tem culpa por ela se sentir agredida por ser 'mulata'. Ela afirma que a mulher é complexada e pede para ela nascer 'branca', mas que ela já tinha nascido mulata, e fazer o quê com isso? A mulher continuou as agressões afirmando que a outra era complexada por que tinha o cabelo duro.

Sulamita relata que a mulher falava o tempo todo que ela pagava um condomínio caro e que os suburbanos deviam ir a outra praia. Ela conta que no princípio não acreditou que as ofensas eram para a sua pessoa, até o momento em que a senhora disse que não entendia porque pessoas que são mulatas precisam pegar sol.

Sulamita falou ainda que estava na praia com uma amiga e sua irmã, que são brancas, e aí percebeu que as agressões realmente eram para a sua pessoa.

Publicidade

O vídeo com as agressões foi publicado no Facebook por uma amiga de Sulamita e teve mais de 2,4 milhões de visualizações e diversos compartilhamentos.

Sulamita levou o episódio ao conhecimento da polícia e a mulher acusada será indiciada por injúria racial, que é considerado crime.

#Racismo