Após o triste episódio do vídeo de uma mulher que agredia verbalmente e cometia #Racismo contra uma desconhecida em uma praia do #Rio de Janeiro, caso esse que ganhou repercussão nacional e foi transmitido na noite de domingo (04), no Fantástico e no Domingo Espetacular, mais um caso de preconceito racial foi parar em uma delegacia, também no Rio de Janeiro, na noite do mesmo domingo. 

A Polícia Civil da 12ª Delegacia de Polícia de Copacabana registrou um boletim de ocorrência, onde um gerente de uma lanchonete, localizada no referido bairro, prestou queixa, após ser agredido verbalmente e ser chamado de macaco por uma cliente do local.

Publicidade
Publicidade

O triste caso ocorreu por volta das 20h30, no local de trabalho de Paulo César, vítima do preconceito. Ele relata que sentiu-se humilhado e que nunca imaginou passar por isso no local onde trabalha há 12 anos e que isso não pode acontecer com ninguém.

Paulo conta que a mulher usou de palavras agressivas para xingá-lo de todas as formas que podia dentro da loja e mesmo depois que foi para a calçada, bateu até em um vidro, insistindo em usar palavras agressivas e o chamando de macaco. Ela estava acompanhada de uma amiga que tentou tapar a sua boca, na esperança de cessar as agressões, mas não adiantou muito. 

Uma testemunha da triste cena relatou que as ofensas se iniciaram no interior do estabelecimento e continuaram na calçada e, a princípio, o gerente não estava dando importância às palavras da mulher, até o momento em que ela gritou bem alto, por duas vezes, chamando-o de macaco.

Publicidade

No momento do ocorrido, o local estava cheio de clientes. Funcionários relataram que as ofensas tiveram início quando a mulher tentou usar o banheiro da loja e o mesmo estava fechado. Depois da série de agressões verbais racistas, Paulo resolveu chamar a polícia e o caso terminou na delegacia.

A mulher acusada de racismo foi identificada como Renata Garcez da Costa, que prestou depoimento ao delegado de plantão e foi liberada no final da noite. Renata não quis gravar entrevista sobre a triste situação de racismo armada pela mesma. #Casos de polícia