Não é só o #Governo federal que vive grande #Crise econômica, muitos estados estão no vermelho e não possuem recursos para manter a saúde do funcionalismo público.

No Rio de janeiro, um dos estados mais afetados com a crise financeira, o governador Luiz Fernando Pezão (PMDB), informou que o governo tem como prioridade pagar os salários dos servidores públicos, referente ao mês de outubro, mas não pode garantir o 13º ainda esse ano, por conta de não haver recursos nos cofres públicos. Caso o estado não possa efetuar o pagamento do #13º Salário, o mesmo deve ser pago parcelado no primeiro semestre do próximo ano.

As medidas a serem adotadas para o caso serão anunciadas nos próximos dias, mas Pezão deixa claro que a prioridade é cumprir com os vencimentos mensais dos funcionários.

Publicidade
Publicidade

Essas medidas tendem a sofrer grande resistências dos servidores públicos, pois anunciaram cortes e parlamentos. Logo, os servidores, apesar da clara crise, não devem aceitar as propostas impostas. O estado tem tido dificuldades para pagar os salários dos funcionários há meses. A crise tem se estendido para várias prefeituras. O turismo e a arrecadação de impostos também têm diminuído no estado, o que não ajuda a melhora da situação.

O rombo das contas públicas do Rio de Janeiro não é facilmente solucionável, mesmo com a ajuda federal, pois ultrapassa os R$ 20 bilhões. O PIB anual do Rio, no último ano, foi de cerca de R$ 650 milhões, valor muito baixo em relação à dívida do estado.

O problema econômico de baixa arrecadação não é exclusivo do Rio. Vários estados não garantem que possam pagar o 13º salário dos servidores estaduais, como o Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Roraima e Sergipe, além de outros dez estados.

Publicidade

Apesar de não correr o risco de deixar de cumprir com os pagamentos do funcionalismo público, a arrecadação do estado de São Paulo, que possui o maior PIB do Brasil, também caiu. Além disso, empresas e comércios em todo o país, têm fechado as portas, o que diminui a arrecadação e aumenta o número de pessoas desempregadas em busca de benefícios, como seguro desemprego.