Um #Vídeo está dando o que falar na internet desde o final de semana: as imagens mostram um táxi em trânsito na Avenida Brasil, uma das avenidas mais movimentadas da capital do Rio de Janeiro, e dentro dele um taxista dirigindo o carro enquanto uma mulher lhe faz sexo oral com o carro em movimento.

As imagens foram capturadas de dentro de um ônibus, também em movimento, por um dos passageiros e divulgado pelo jornal O Dia. A cena passa rápido, porém é possível ver perfeitamente a posição da mulher debruçada sobre a região íntima do homem enquanto ele segura o volante com a mão esquerda e fica com a mão direita sobre as costas dela.

Publicidade
Publicidade

A altura do ônibus permitiu a gravação das cenas de um ângulo onde é possível ver claramente o que está acontecendo.

A placa do veículo foi censurada, bem como o rosto dos envolvidos, que não aparecem nas imagens. Não se sabe quem são.

Em entrevista, logo após a captura da cena inusitada e caliente, um dos passageiros do transporte público afirmou que pensa que o #taxista é um assanhado e que a mulher que está com ele é uma desinibida.

É importante ressaltar que o ato sexual em público é crime no Brasil, podendo gerar transtornos e até prisão dos envolvidos. O crime é considerado como crime de ato obsceno e pode ser agravado com atentado ao pudor. A pena varia de três meses de prisão em regime fechado a um ano, sendo dispensada a necessidade de julgamento.

Os casos mais comuns que geram a aplicação da pena são relacionados a casais ou grupos que se envolvem no ato normalmente dentro de carros.

Publicidade

Independente do horário em que a relação acontece e da via onde ocorre, ou seja, em uma rua movimentada durante o dia ou em uma rua abandonada à noite, em ambos os casos se o ato é flagrado pela Polícia é identificado o crime e haverá o encaminhamento dos envolvidos para a delegacia para andamento da aplicação da pena prevista em lei.

No caso do vídeo que mostra o ato entre uma mulher e um taxista em horário de trabalho, não houve flagrante. Porém as imagens podem se tornar provas de outro crime: crime cibernético de exposição de terceiros. Nesses casos, segundo a lei, tanto os envolvidos com a gravação como com a distribuição direta do vídeo são responsáveis e podem ser chamados a apresentar-se pelo crime, como todos os demais que compartilham o conteúdo em suas redes sociais, mesmo as privadas como o WhatsApp.

Também é importante salientar que acusar, difamar ou ofender qualquer pessoa por ato similar a esse é criminoso, sendo passível de punição pelo Código Penal Brasileiro. #Sexo Oral